Pernambuco.com



  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Imagem desgastada » Barbosa ataca colegas e causa mal-estar entre integrantes da Corte Discussão aconteceu por causa da não expedição do mandado de prisão do deputado João Paulo Cunha

Diego Abreu

Publicação: 23/01/2014 07:12 Atualização:

Barbosa afirmou, durante viagem oficial a Paris, que, se estivesse como substituto na Presidência do STF, jamais deixaria de ter decretado a prisão do parlamentar foto: Felipe Sampaio/STF (Felipe Sampaio/STF)
Barbosa afirmou, durante viagem oficial a Paris, que, se estivesse como substituto na Presidência do STF, jamais deixaria de ter decretado a prisão do parlamentar foto: Felipe Sampaio/STF

As críticas feitas ontem pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, aos colegas Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski, por não terem expedido o mandado de prisão do deputado João Paulo Cunha (PT-SP), causaram mal-estar entre integrantes da Corte. A avaliação de dois ministros ouvidos pela reportagem é de que o chefe do Judiciário desgastou a imagem e expôs uma divisão no tribunal. Barbosa afirmou, durante viagem oficial a Paris, que, se estivesse como substituto na Presidência do STF, jamais deixaria de ter decretado a prisão do parlamentar. O ministro encerrou o processo em relação a João Paulo no dia 6, na véspera de entrar de férias, mas viajou sem ordenar a prisão do petista.

Sem citar os nomes de Cármen e de Lewandowski, que ficará na chefia do STF até o dia 31, Barbosa destacou que os colegas ampliaram o período de liberdade de João Paulo. “Qual é a consequência concreta disso? A pessoa condenada ganhou quase um mês de liberdade a mais. Se eu estivesse como substituto, jamais hesitaria em tomar essa decisão”, afirmou.

Alberto Toron, advogado de João Paulo, critica a postura de Barbosa. “É uma situação triste ver um presidente do Supremo que não cumpriu sua função na extensão que deveria, vir agora colocar a culpa nos colegas. Houve um desgaste enorme para o João Paulo, que ficou encarcerado vários dias no próprio apartamento”, afirmou Toron.

Procurados pela reportagem, Cármen e Lewandowski não comentaram as críticas. A ministra, que comandou a Corte interinamente até sexta-feira, se eximiu de ordenar a prisão de João Paulo, com base em norma do regimento do Supremo. Lewandowski adotou a mesma postura. O artigo 341 do regimento do STF estabelece que os atos de execução das decisões transitadas em julgado serão requisitados diretamente ao relator do processo, no caso Joaquim Barbosa. Assim, caberá a ele decretar a prisão de João Paulo em fevereiro, quando retornar da Europa.

Na entrevista, o ministro rebateu as críticas que recebeu por causa do valor de R$ 14,1 mil que recebeu a título de 11 diárias na Europa. “Eu acho isso uma tremenda bobagem. Nós temos coisas muito mais importantes a tratar.”

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: oliver oliveira
SE FOSSE PRA PRENDER,UM POBRE COITADO ASSALARIADO,DAVA PRA ASSINAR TANTOS QUANTOS,MANDATOS TIVESSE,MAIS COMO ERA PRA UM POLITICO CORRUPTO,JÁ SABE NÉ. | Denuncie |

Autor: Dayse Paiva
O Joaquim Barbosa é realmente muito contraditório. Como foi ele que usufruiu dos R$ 14.000,00 mil que recebeu de diária é uma bobagem. Se fosse um parlamentar teria que dar explicação a respeito da diária recebida. Como é o Joaquim é uma Bobagem.... Acorda Brasil... | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »