• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Arthur Chioro » Cotado para ministério da Saúde é investigado

Correio Braziliense

Publicação: 21/01/2014 09:58 Atualização: 21/01/2014 11:02

O petista Arthur Chioro se reunirá hoje com Dilma Rousseff e deve ser nomeado novo ministro da Saúde (Foto: Divulgação)
O petista Arthur Chioro se reunirá hoje com Dilma Rousseff e deve ser nomeado novo ministro da Saúde
O secretário de Saúde de São Bernardo do Campo (SP), Arthur Chioro (PT), praticamente garantido como novo ministro da Saúde após intervenção do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na reforma ministerial, é alvo de investigação do Ministério Público de São Paulo (MPSP). A presidente Dilma Rousseff deve se reunir hoje com Chioro para bater o martelo em torno do seu nome. Em setembro do ano passado, a promotora Taciana Trevisoli Panagio, que atua em São Bernardo do Campo, instaurou inquérito civil público para apurar a denúncia de que Chioro, além de comandar a pasta municipal, é dono de uma empresa da área que prestava consultorias para prefeituras petistas.

A Consaúde Consultoria, Auditoria e Planejamento LTDA., que tem Chioro como sócio majoritário, manteve contratos sem licitação com várias prefeituras de São Paulo, incluindo administrações do seu próprio partido. A empresa prestou serviços, por exemplo, para a Prefeitura de Ubatuba, comandada pelo petista Maurício Morozimato. Também foi firmado contrato com o município de Botucatu, durante a gestão do petista Antônio Mário de Paula Ferreira. A Lei Orgânica do Município (LOM) de São Bernardo do Campo não permite secretários municipais serem donos de empresas que mantêm contratos com entes públicos.

Na tarde de ontem, por meio da assessoria de imprensa do Ministério Público, a promotora Taciana Trevisoli apenas confirmou que o procedimento está em curso. Para não atrapalhar a investigação em andamento, ela preferiu não se pronunciar sobre o assunto. Informou que já fez o pedido de informação ao secretário de Saúde. O MPSP comunicou que ainda não existe uma previsão para conclusão do inquérito.

Influência
A indicação de Chioro para o Ministério da Saúde foi um arranjo político costurado pelo prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho (PT), e, sobretudo, pelo ex-presidente Lula. Marinho alimentava a esperança de ser o candidato do PT para disputar o governo de São Paulo. Com a entrada do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, ele acabou rifado e poderia fazer “corpo mole” na campanha.

Até então, os mais cotados na disputa para assumir o posto no lugar de Padilha eram os secretários de Atenção à Saúde, Helvécio Magalhães, e de Gestão da Educação e Trabalho na Saúde, Mozart Sales. O mineiro Helvécio é apadrinhado político do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel. Já o pernambucano Mozart, cérebro do Mais Médicos, contava com a simpatia de Padilha e da presidente Dilma Rousseff.

Com a chegada de Chioro, os dois devem deixar a pasta para tentarem vaga na Câmara dos Deputados nas eleições deste ano. Nos bastidores, comenta-se que Chioro chegará com aval para reformular toda a equipe. O diretor do Departamento de Regulação, Avaliação e Controle do Ministério da Saúde, Fausto Pereira dos Santos, deve ser promovido para ocupar a Secretaria Executiva da pasta.

No início da tarde de ontem, o Correio entrou em contato com a assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo, no entanto, até o fechamento desta edição, não houve nenhuma resposta em relação aos questionamentos sobre o inquérito civil público em andamento.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.