• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Poder Judiciário » Comando do plantão do STF troca de mãos O ministro Ricardo Lewandowski assume nesta segunda-feira em regime de plantão a presidência do Supremo Tribunal Federal

Estado de Minas

Publicação: 20/01/2014 08:42 Atualização:

Lewandowski (D) ficará na presidência da corte até o retorno do presidente Joaquim Barbosa, que está em férias. Foto: José Cruz/ABr
Lewandowski (D) ficará na presidência da corte até o retorno do presidente Joaquim Barbosa, que está em férias. Foto: José Cruz/ABr

Brasília – O vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e revisor do processo do mensalão, ministro Ricardo Lewandowski, assume nesta segunda-feira em regime de plantão a presidência da Corte. Ele ocupará o lugar da ministra Cármen Lúcia, que estava no posto desde o dia 7, quando o presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, entrou em férias. Com a volta de Joaquim prevista para o início de fevereiro, ele reassume o comando do Supremo.

Ao sair em férias, Joaquim Barbosa deixou de assinar o mandado de prisão do ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha (PT-SP), condenado no processo do mensalão. Sem isso, a Polícia Federal ficou impossibilitada de cumprir o mandado de prisão. Segundo o STF, não houve tempo hábil de deixar o mandado de prisão pronto antes de Barbosa sair de férias, no dia 7. O deputado João Paulo Cunha está em liberdade, aguardando a decisão e chegou até a criticar a não assinatura do mandado.

No período em que esteve no plantão, a ministra Cármen Lúcia não expediu o mandado, alegando que a medida só poderia ser tomada pelo presidente do STF, que é relator dos recursos apresentados pelo deputado. A decisão da ministra se baseou no artigo 341 do regimento interno do STF que estabelece que os atos de execução e de cumprimento das decisões e acórdãos transitados em julgado serão requisitados diretamente ao ministro que funcionou como relator do processo na fase de conhecimento. Ao assumir o plantão do STF, o ministro Ricardo Lewandowski pode ter, no entanto, um outro entendimento e expedir o mandado de prisão de João Paulo Cunha.

PENDÊNCIA Quando voltar de viagem, o ministro Joaquim Barbosa também deverá decidir se manda prender o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB), outro condenado no processo, ou se determina o cumprimento da pena dele em regime domiciliar, devido à condição frágil de saúde do ex-parlamentar. Jefferson também aguarda a decisão em liberdade.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.