Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Novas críticas ao Governo Federal » Eduardo mira críticas ao combate à inflação Com o palanque reforçado na Bahia, socialista reclamou da política econômica do governo federal

Publicação: 20/12/2013 07:42 Atualização:

Eduardo reforçou palanque na Bahia após filiação de Eliana Calmon
Eduardo reforçou palanque na Bahia após filiação de Eliana Calmon

Um dia depois de se encontrar com o governador da Bahia, o petista Jaques Wagner, o governador Eduardo Campos (PSB) voltou a criticar a política econômica do governo federal, falando sobre o que considera erros no combate à inflação. “Nós não podemos ficar administrando o combate à inflação, como diz o ditado popular no Nordeste, da mão para a boca, com ações pontuais, imediatistas, que efetivamente nos remetem a um tempo em que o Brasil pôs duas décadas a perder”, afirmou Eduardo, ontem, na Bahia, reduto eleitoral do PT há quase oito anos.

Eduardo Campos fez a provocação aos petistas ao lado da ex-senadora Marina Silva, durante ato de filiação da ex-ministra Eliana Calmon ao PSB e confirmação da pré-candidatura da senadora Lídice da Mata (PSB) ao governo baiano.

Conhecida nacionalmente após dizer que, no Brasil, havia “bandidos de toga”, o que lhe rendeu processo na Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça, Eliana se filiou à legenda socialista após assinar, de forma simbólica, a ficha da Rede Sustentabilidade.
Uma adesão que ajuda a reforçar o discurso do novo que Eduardo vem apresentando como pré-candidato. “O povo baiano identificou que essa política velha não dá certo.
(…) Vou rodar a Bahia para me certificar da política que está sendo feita. Vamos ter o financiamento que for possível pela lei”, disse a ex-ministra.

Filiação

O ato de filiação de Eliana Calmon, que será candidata ao Senado, atraiu cerca de 800 lideranças no Espaço Unique, em Salvador, e foi recheada de polêmicas.

O governador pernambucano retrucou críticas do candidato apoiado por Jaques Wagner na Bahia, Rui Costa, que o acusou de interferir demais em assuntos políticos da Bahia. Esse foi um dos primeiros confrontos de Eduardo com candidatos petistas no Nordeste.
“Isso é desviar do debate. Isso é uma tentativa de ir para a perfumaria, a casca.
Queremos ir para a essência. Não é justo dizer isso da minha participação, como não seria (justo) dizer o mesmo sobre Lula, que deu sua opinião aqui (na Bahia)”, reagiu.

Marina Silva, por sua vez, foi indagada novamente se pretendia disputar a Presidência da República no lugar de Eduardo. “A tese de que Marina está na frente de Eduardo nas pesquisas e (ambos) vão ficar se ‘engalfinhando’ em uma luta de titãs não prevaleceu. Se quiséssemos disputar o lugar de candidato teríamos ido para o PPS e não vir atrapalhar a vida do governador que estava fazendo seu movimento”, pontuou a ex-senadora.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »