Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Autoridades brasileiras » Compra de caças suecos é uma resposta à espionagem americana no país Dilma anunciou a aquisição dos caças para evitar pressões na disputa das urnas de 2014. Medida também é resposta à espionagem dos EUA

Paulo de Tarso Lyra

Leandro Kleber

Publicação: 20/12/2013 06:32 Atualização: 20/12/2013 12:29

Pressionada pelos militares a decidir sobre a compra dos caças do programa FX-2, que se discute desde o governo de Fernando Henrique Cardoso, a presidente Dilma Rousseff bateu o martelo para adquirir as aeronaves suecas em outubro. Segundo informações do Palácio do Planalto, a decisão só foi anunciada na quarta-feira por três motivos. Um deles é que Dilma dá uma resposta aos americanos após a revelação da espionagem sobre autoridades brasileiras, incluindo ela própria, descredenciando a Boeing, produtora do Super Hornet. O governo também avaliou que, se deixasse o anúncio para 2014, ano eleitoral, poderia ficar sujeito a críticas e pressões externas.

 

Para manter as relações diplomáticas com os franceses, um governo também de esquerda, Dilma esperou para anunciar a decisão oficialmente apenas após a visita do presidente da França, François Hollande, ao Brasil na semana passada para não o constranger. Ela fez questão de informar o dirigente francês de que escolheria os suecos. O anúncio oficial do Brasil poderia prejudicar a primeira viagem do colega francês ao país, já que a empresa Dassault, produtora do Rafale, acabou preterida ao lado da americana Boeing.

Orçamento

O dinheiro da compra dos caças entrará no orçamento do Ministério da Defesa somente a partir de 2015. De acordo com assessoria de imprensa da pasta, não há qualquer previsão de desembolso de recursos em 2014. Conforme explicou o ministro Celso Amorim, os investimentos da ordem de US$ 4,5 bilhões estão previstos em um cronograma de desembolso que se estenderá até 2023. Tudo será definido nas negociações contratuais. O valor representa o montante anual que a Defesa tem para investir na compra de equipamentos e execução de obras. Por isso, não deverá haver grandes dificuldades para bancar a aquisição das aeronaves. Um cálculo médio mostra que a pasta teria que ter cerca de R$ 1 bilhão anual a mais para comprar os caças nos próximos 10 anos.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »