Pernambuco.com



  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Corrupção na Câmara de Caruaru » Polícia não descarta mais prisões em Caruaru

Diario de Pernambuco - Diários Associados

Publicação: 19/12/2013 09:48 Atualização: 19/12/2013 11:18

A cúpula da Polícia Civil revelaram que investigações começaram há seis meses e envolveram 120 policiais: vereadores pediam R$ 2 milhões para aprovação de projetos. Foto: Nando Chiappetta/DP/D.A Press (Nando Chiappetta/DP/D.A Press)
A cúpula da Polícia Civil revelaram que investigações começaram há seis meses e envolveram 120 policiais: vereadores pediam R$ 2 milhões para aprovação de projetos. Foto: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

A Polícia Civil não descarta a prisão de mais envolvidos no esquema de corrupção da Câmara de Vereadores de Caruaru. Em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira (19), o delegado responsável pelo caso, Erick Lessa, informou que as investigações da Operação Ponto Final continuam e que outros vereadores podem ser detidos. A polícia revelou que os legisladores pediam R$ 2 milhões à prefeitura para dividir entre todos para a aprovação de projetos. A polícia, no entanto, não revelou mais detalhes sobre a operação desencadeada ontem (18) que culminou com a prisão de dez dos 23 vereadores de Caruaru.

"As investigações continuam em trâmite e existe a possibilidade de entrar mais um na cadeia criminosa", declarou. O delegado também informou que não há comprovação de que a prefeitura do município tenha pago propina como chegou a afirmar o vereador Jailton Soares de Oliveira (PPS), mais conhecido com Jajá, enquanto estava no Instituto Médico Legal (IML) para fazer o exame de corpo delito antes de ser encaminhado à Penitenciária Juiz Plácido de Souza.

"O valor que eles solicitaram foi aproximadamente R$ 2 milhões para dividir entre todos e faziam barganhas para diminuir ou aumentar estes valores. Então, isso foi exigido pela Câmara dos Vereadores. Por seis vereadores da oposição a princípio quatro da situação, podendo entrar algum outro vereador no caminhar das investigações", completou o delegado, ao se referir ao projeto do Transporte Rápido por Ônibus (BRT), aprovado nesta terça-feira (17) na Câmara.

A pauta foi aprovada com 17 votos a favor, 5 contra e uma abstenção. O valor foi de R$ 250 milhões e será contraído junto ao BNDES. Desse total, R$ 150 milhões serão destinados para o ramal Leste/Oeste do BRT, ligando o bairro das Rendeiras até o Alto do Moura, e R$ 100 milhões para pavimentação de ruas e avenidas. Os vereadores Ranilson Enfermeiro (PSC) e Edjailson da Caruforró (PTdoB) também prestaram depoimento. 

O grupo de vereadores vinha sendo investigado há seis meses. Os legisladores são acusados dos crimes de concussão (cobrança de vantagem em troca de voto), corrupção passiva e organização criminosa. A investigação corre em segredo de justiça.

As prisões foram coordenadas pela Gerência de Controle Operacional do Interior da Polícia Civil no Agreste. Participam dos trabalhos 120 policiais civis, entre delegados, agentes e escrivães. Segundo o delegado Erick Lessa, que preside o inquérito, foram apreendidas oito armas de fogo, R$ 50 mil em dinheiro e 55 euros e mais de R$ 165 mil em cheques. “O que podemos dizer é que existe um esquema de vereadores que solicitam e exigem valores para aprovar determinados projetos na Câmara”, contou.

Com informações do repórter Tércio Amaral, do Diario de Pernambuco

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: edna barros barros
afinal de contas para que serve vereador ? projetos o povo faz de graca, ver burcos na ruas, o povo tambem mostra todo dia. Esse cargo nao devia ser remunerado ou simplesmente não existir. Acabar com essa ladroeira. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »