Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Municípios » Prefeitos pedem a Renan Calheiros aumento do Fundo de Participação dos Municípios

Agência Senado

Publicação: 10/12/2013 20:01 Atualização:

Cerca de 600 prefeitos estiveram no Congresso Nacional nesta terça-feira (10) para pedir mais recursos para os municípios. Segundo eles, muitas prefeituras não têm dinheiro para o pagamento do décimo terceiro salário aos servidores municipais.

No encontro com o presidente do Senado, Renan Calheiros, os prefeitos reivindicaram a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição 39/2013, que aumenta em dois pontos percentuais o repasse do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para o Fundo de Participação dos Municípios (FPM). A proposta está na Comissão de Constituição e Justiça e tem como relator o senador Eduardo Lopes (PRB-RJ).

O presidente da Associação dos Municípios de Alagoas (AMA), Marcelo Beltrão, disse a Renan Calheiros que as prefeituras estão em situação de miséria. Beltrão, que é prefeito de Jequiá da Praia (AL), afirmou que o cenário impossibilita as prefeituras de prestarem um serviço de qualidade para os cidadãos. E cobrou uma solução.

"Os municípios estão ingovernáveis", disse o prefeito.

O presidente do Senado, Renan Calheiros, declarou-se sensibilizado com a situação das prefeituras. E prometeu  interceder junto ao governo federal para ajudar a resolver o problema financeiro das administrações municipais.

"Precisamos construir uma convergência. Vamos analisar a melhor alternativa. E fazer a interlocução com o Poder Executivo para agilizar", afirmou.

A votação da PEC 39/2013 deve ser realizada apenas em 2014. Renan Calheiros lembrou que as propostas de emenda à Constituição dependem de um rito especial de tramitação, o que torna a análise desse tipo de matéria mais lenta. E ponderou não haver mais tempo hábil para aprovar a matéria antes do fim do ano.

Saúde e Educação

Os prefeitos também pediram soluções para o financiamento das áreas de saúde e educação. Eles afirmaram não ter condições de pagar o piso salarial para o magistério ou para fazer investimentos na área de saúde.

Renan Calheiros disse que o Congresso está empenhado em resolver essas questões. Ele citou algumas iniciativas já aprovadas por senadores e deputados, como a que destina 75% dos royalties do petróleo para a educação e 25% para a saúde.

"Também aprovamos o orçamento impositivo, que destina metade das emendas parlamentares para a saúde. A mesma proposta estabelece que 15% da receita corrente líquida para a saúde", disse.

A proposta está em análise na Câmara dos Deputados.

Da Assessoria de Imprensa da Presidência do Senado.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »