EDITORIAL » Encontro histórico

Publicação: 13/06/2018 03:00

Histórico é adjetivo cujo uso se banalizou. Com o abuso de classificar fatos menores com a palavra, houve certo rebaixamento do significado original. Mas, aqui, é empregado com o sentido ligado à epopeia — merecedora de entrar na História, grafada assim, com a inicial maiúscula. Trata-se do encontro de Donald Trump e Kim Jong-un.

A aproximação era inimaginável há poucos meses, quando os dois trocavam farpas nada elegantes via redes sociais. Trump chamava o ditador norte-coreano de homenzinho do foguete, em alusão à estatura de Kim e aos sucessivos testes nucleares por ele realizados. Kim, por sua vez, alardeava que Trump era velho decrépito, gagá.

Ambos os líderes, de temperamento imprevisível, pareciam pôr em risco a paz mundial. Com armas atômicas, poderiam apertar o botão “de brincadeirinha” sem se preocupar com as consequências a exemplo das crianças. O que se viu na segunda-feira, porém, jogou por terra a imagem construída mundo afora. Acompanhado ao vivo nos cinco continentes, o encontro dos dois mandatários em Cingapura mostrou que o enredo pode ser outro.

Pela primeira vez, um presidente americano e um ditador norte-coreano se olharam na horizontal, face a face. Como ocorre em situações semelhantes, a linguagem diplomática — genérica, com alto nível de abstração e, por isso, não comprometedora — imperou depois do aperto de mãos. “Não tenho dúvidas de que eu e Kim teremos uma relação incrível”, disse Trump. “Foi difícil chegar até aqui. Preconceitos e práticas antigos atuaram como obstáculos, mas nós os superamos e estamos aqui”, respondeu Kim.

Em declaração conjunta, Donald Trump se comprometeu a dar garantias de segurança à Coreia do Norte, que, por sua vez, reafirmou o firme e inquebrantável compromisso com a total desnuclearização da Península Coreana. Ambos saudaram as novas relações dos dois países, o desejo paz e prosperidade, a união de esforços para construir um regime de paz duradoura e estável. Também anunciaram o empenho de localizar os restos mortais de prisioneiros de guerra e dos desaparecidos em ação.

São propósitos que, se concretizados, exigirão tempo e rodadas de negociações. O xis da questão é o conceito de desnuclearização. Em nenhum momento, ficou claro se os dois lados têm ideia comum sobre o tema. Washington quer o desmantelamento completo, irreversível e verificável do arsenal nuclear da Coreia do Norte.

Pyongyang entende que o vocábulo envolve a retirada de tropas americanas da Coreia do Sul e a redução do guarda-chuva nuclear com que os Estados Unidos protegem os aliados Seul e Tóquio. Também fala em encerrar o programa nuclear. Não disse como nem quando e, também, não definiu a abrangência. O anúncio de suspensão dos exercícios militares conjuntos de EUA com a Coreia do Sul por certo não atende as expectativas do vizinho do norte. Mas pode ser passo importante da longa caminhada que não acabará em menos de uma década.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.