Il est trop tard

José Paulo Cavalcanti Filho
Jurista e membro da Academia Pernambucana de Letras

Publicação: 01/06/2018 03:00

Lisboa. Maio de 1968. A França em fogo. Parecido com essa greve das empresas de transporte. Estudantes, pelas ruas, faziam lembrar as barricadas vistas na Revolução de 1848 (Primavera dos Povos), contra a Monarquia. Tudo sob o comando de um jovem (de 23 anos) franco-alemão, Daniel Marc Cohn-Bendit (ele e mais Alain Geismar e Jacques Sauvageot). Não há consenso em relação ao preciso significado dessa insurreição de 1968. No início com estudantes, apenas. Depois, também agregando trabalhadores e gente do povo. Contra, difusamente, tudo que pudesse representar autoridade – exclusão social, horário de trabalho, baixa qualidade na educação, repressão sexual. Cito resumo do que aconteceu, por lá, em palavras do ator francês André Glucksmann: “Maio de 1968 é um momento tanto sublime, como detestado, que nós queremos comemorar ou enterrar”. Seja como for era, sobretudo, um ato em favor da liberdade. Mais tarde Cohn-Bendit, Danny le Rouge (O Vermelho), acabou no partido ecologista Die Grünen. E deputado Europeu. Mas essa é outra história.

No fim de 1968, indo ao Sacré Coeur, passei pela Place de Tertre. E encontrei escrito, num muro, Il est trop tard; mais, au mois de mai, tout est possible (É demasiado tarde; mas, no mês de maio, tudo é possível). Pichada meses antes, claro, e ainda não apagada. Converti a citação em lema de vida. Por aqui, ainda naquele ano de 1968, e sob as mãos da junta militar, começava a mais negra fase da Ditadura de 1964.

Mestre Zuenir Ventura escreveu livro que retrata bem aqueles tempos, 1968, o Ano que não Terminou. Ele está certo. Como sempre. Não terminou porque sobrevive dentro de nós. Complicado é que agora, 50 anos depois, a desesperança bate novamente à nossa porta. Com um Brasil fragmentado, em conflito e sem horizontes. Sendo cada vez mais necessário que vivamos uma nova utopia. Lembro lição do amigo Eduardo Galeano (em Las Palavras Andantes, citando Fernando Birri): “A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar”.

Mas qual o sentido dessa utopia?, nos anos que correm. Essa é a pergunta certa. Andar só por andar é quase nada. Especialmente num país fraturado pela exclusão social. Sem rumos. Perdido. Onde o debate foi substituído por ofensas. Sinto isso ao constatar que poucos são otimistas com o futuro. Outubro vem aí. Será um novo mês de maio?, onde as esperanças florescem. Ou será uma antevisão do caos?, prenunciando anos ainda mais difíceis. Difícil saber. Melhor, então, apenas acreditar naquela frase que foi sempre uma lição de não perder as esperanças. Nunca. Mesmo quando tudo pareça trop tard. Sendo bom lembrar que, aconteça o que acontecer, tout est possible. Deus nos proteja.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.