Tireoide em evidência

Luciano Albuquerque
Vice-presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM-PE)

Publicação: 25/05/2018 03:00

Uma semana inteira dedicada a um tema tem a sua razão de ser. Diversas ações de divulgação e orientação sobre as doenças da tireoide são realizadas no Brasil e em mais de 65 países, tendo a data oficial da conscientização como 25 de maio. As sociedades médicas envolvidas já estenderam o período, criando a Semana Internacional da Tiroide desde 2009. O tema escolhido este ano é Mitos e Fatos sobre a Tireoide.

A tireoide é uma glândula endócrina localizada na base da parte anterior do pescoço. Tem como função primária a produção dos hormônios T4 e T3, que atuam no controle da taxa metabólica e na síntese de proteína nos mais diversos sistemas do nosso organismo. Interfere, também, no funcionamento de outras glândulas, tendo influência no crescimento e desenvolvimento das crianças e adolescentes; na regulação dos ciclos menstruais e fertilidade; no controle do peso e até mesmo em funções cerebrais como memória e humor.

O não funcionamento adequado da glândula pode ser caracterizado pelo excesso (hipertireoidismo) ou deficiência (hipotireoidismo) dos seus hormônios, levando a diversas repercussões clínicas.

No hipertireoidismo ocorre um excesso de funcionamento no organismo, com palpitações, taquicardia, tremores, agitação e perda de peso. No hipotireoidismo observamos o oposto, o paciente fica lentificado, sonolento, deprimido, com falta de atenção e memória. Nas duas situações pode ocorrer o aumento do volume da tireoide, também conhecido como bócio.

Além das alterações hormonais, também existem os nódulos de tireoide, muito comuns, podendo estar presentes em mais da metade da população. A maioria desses nódulos são benignos e provavelmente vão passar desapercebidos, pois são muito pequenos e não palpáveis, não gerando repercussões clínicas.

Nas últimas décadas, a facilitação de acesso aos métodos de diagnóstico complementar e a popularização dos “check ups” tem gerado um diagnóstico excessivo de alterações em exames hormonais e na detecção de nódulos na tireoide. A busca por melhorias estéticas tem levado a tratamentos desnecessários, com exposição a eventuais riscos e efeitos adversos relacionados aos tratamentos prescritos erroneamente.

Dessa forma, considerando o papel fundamental da tireoide na regulação de todo o organismo, é importante que o paciente procure a opinião de um endocrinologista, especialista capacitado no correto manejo das doenças desta glândula, antes de se submeter a qualquer procedimento ou intervenção terapêutica que envolva a tireoide.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.