Fazenda Nova também foi cenário de filme

Giovanni Mastroianni
Advogado, administrador e jornalista

Publicação: 05/04/2018 03:00

À época em que o comunicador Plínio Pacheco concebia transformar o lugarejo Fazenda Nova no maior teatro ao ar livre do mundo, o cineasta Fernando de Barros já dirigira, no local, cenas do filme brasileiro Riacho de Sangue, película do qual fora um dos roteiristas, mas cuja filmagem não chegara a fazer grande sucesso de bilheteria, apesar de apresentar um bom elenco de atores e atrizes,entre os quais Alberto Ruschel, que havia sido o principal protagonista do sucesso nacional O Cangaceiro, no papel de Capitão Galdino (Lampião), Maurício do Vale (ator de cinema e televisão) e Gilda Medeiros, ex-Miss Pará, que obteve o 3.º lugar no tradicional Concurso “Miss Brasil”, habilitando-se para a disputa de “Miss Mundo”.

Fazia parte do rol de astros José Pimentel, que se tornaria famoso interpretando Jesus, na encenação teatral da Paixão de Cristo, tanto naquele distrito de Brejo da Madre de Deus como na capital pernambucana, durante dezenas de anos, até que finalmente, se aposentou, conforme tema de recente artigo que o Diario de Pernambuco publicou, dias antes do início da Semana Santa.

Fato curioso ocorreu durante as filmagens, quando, em cena de montaria, Gilda Medeiros, a “Rita do Brejo” do filme, literalmente caiu do cavalo, em plena filmagem. Imediatamente transportada para Caruaru, recebeu os primeiros socorros no Hospital Bom Jesus, um dos melhores da região, no momento, onde ficou hospitalizada sob os cuidados do traumatologista José Barreto.

Tão logo soube da notícia, na condição de repórter, fui visitá-la, no apartamento que lhe fora reservado, naquele nosocômio. Minha intenção não era dar furo de reportagem, mas sim fazer uma gravação especial para um programa de rádio que apresentava com fatos inéditos. No auge da entrevista, fui interrompido pela chegada do ortopedista para visita médica de rotina. Em se tratando de pessoa de minha amizade, permitiu que permanecesse no local e a tudo presenciasse, apesar da paciente estar apenas protegida por um lençol, que delineava seu esbelto corpo de mais de um metro e setenta de altura. Ainda animado com a entrevista, fui novamente interrompido, dessa vez com a chegada de mais uma das personagens de Riacho de Sangue, o protagonista principal, Alberto Ruschel, em visita à sua mais recente “paquera”. Minha decepção foi maior quando o astro, ex-integrante do bando“Quitandinhas Serenaders”, agradeceu minha participação, até então, afirmando que, a partir daquele momento, ele passaria a dar assistência à sua “companheira” de filmagens.

Apesar do acidente, Gilda Medeiros retornou ao palco do filme, conseguindo, ainda, concluí-lo, a exemplo de outros que fez, porém esse fora o de sua estreia e que lhe garantira o prêmio especial de melhor atriz coadjuvante do ano, no festival de cinema realizado em Santa Rita do Passa Quatro.

Apesar da frustração que passei, dias depois, após obter alta, inesperadamente recebi a visita da atriz, que foi me agradecer pela divulgação, com exclusividade, da entrevista que concedera ainda no leito do hospital. Nos dias atuais, Gilda Medeiros brilha, não mais nas telas do cinema, mas da televisão do Pará, estado onde nasceu e reside, e, ainda bem bonita, apesar da idade, mantém sua beleza exótica, que sempre a caracterizou e foi o segredo de suas conquistas.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.