A honra e o cargo

Meraldo Zisman
Médico psicoterapeuta

Publicação: 21/02/2018 03:00

Devo dizer que a honra de um cidadão ou político é perdida por um único deslize. É o que indica a expressão inglesa “character”, que significa renome, reputação, honra ou estilo. Ademais, a perda da honra é irreversível, a menos que se deva a calúnia ou a falsas aparências. Para isso existe a Lei para punir, com duras penas, a injúria e a calúnia.

A pessoa que ocupa um cargo público (Político) deverá ser dotada de honra civil e de honra pública, além da capacidade de exercê-las, isto é, desempenhar as funções inerentes a cargo, trabalho, ofício. Situação que deve ocorrer em observância a outros princípios da regra ou norma moral.

A honra civil baseia-se na pressuposição do respeito incondicional ao direito de cada um. Ela é o condicionante de todo e qualquer contato disciplinador entre os Homens. Apreciaria esclarecer a existência de variados subgrupos da honra, mas antes apreciaria compará-la a um dos seus sinônimos — glória (fausto, grandeza, homenagem, exaltação, fama, esplendor). Mas é preciso ter em mente que a verdadeira glória deve ser conquistada sem que a honra seja ferida.

Voltando às várias expressões da honra, ela apresenta e corresponde a diferentes modelos como já mencionei: primeiro a civil e seguem-se a honra do cargo ocupado e até a honra sexual, englobando as subordens devidas pelos servidores estatais, médicos, advogados, em suma todos aqueles que foram qualificados para exercer determinado tipo de trabalho intelectual ou profissional.

Quando um ser humano se candidata a um cargo político, tem de ter/ver/saber que deverá manter a sua honra de forma diferente da honra de um simples cidadão, pois deve também ter a competência para exercê-lo com proficiência muito além da honra civil.

O que desejo dizer é que a honra de um cidadão comum pertence exclusivamente à esfera particular, enquanto que a de um político ultrapassa esse nível, pois passa a compreender o povo em geral: interesse público.

Um político não pode aceitar acusações quanto a não cumprir com probidade os deveres do cargo que ocupa. Quanto mais influente for a função que ele exerça numa organização pública, tanto mais deve ser possuidor de capacidade intelectual e as qualidades morais que façam dele uma pessoa apta a ocupar tal função e ainda ser capaz e – principalmente – honesto. Sempre. Ou então damos aceitação a Arthur Schopenhauer (1788-1860) quando diz que ‘a honra é, objetivamente, a opinião dos outros acerca do nosso valor, e, subjetivamente, o nosso medo dessa opinião’.

Parece-me que no Brasil de hoje há uma falta generalizada desse atributo que desconfiávamos não existir, porém a desonra jamais foi escancarada como na situação que estamos vivendo. Os ocupantes de cargos públicos deveriam saber que a honra e sua prática não depende da idade e muito menos da origem do ocupante do cargo. Se jovem e ocupante de cargo público, não podemos tolerar desonestidade pelo que ele promete ser ou o argumento de que ainda não foi testado, é inexperiente.

Quem é inexperiente não pode exercer funções de mando. Caso for experiente, se tem noção, tem prática, tem conhecimento das coisas e tem cabelos brancos, isso não o isenta da honra. É bom lembrar que rugas também são sinais de velhice e não despertam sinais de respeito: nunca se fala de rugas veneráveis, mas sim de cabelos brancos veneráveis. Nunca esquecer que aqueles que ocupam cargos públicos (seja por nomeação, concurso, eleição, pouco importa), além da capacidade para exercer a função devem ser pessoas honradas em primeiro lugar, além de dotados de competência.

Lembro que a honestidade de quem ocupa um cargo público, por menor ou maior que seja ele, garante nossa segurança como país, estado, nação, município e Sociedade, mormente no trato da: “Res publica”, uma expressão latina que significa literalmente “coisa do povo”, “interesse público”. É a origem da palavra república. E o político/administrador público, após deixar o cargo, deve permanecer respeitado por seus sucessores. Não é isso que estou assistindo!

Portanto, preocupado estou. Preocupado, de todo coração, com o futuro e com a felicidade do meu povo, muito embora não deixe de ser esperançoso por dias melhores.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.