Segura a Seringa

Laura Areias
Jornalista e escritora

Publicação: 03/02/2018 03:00

A alegria espalha-se em todos os foliões. O Segura a Seringa abriu a festa de Momo com galhardia. O Centro de Convenções apresentou em seu espaço o Velho São Francisco, rio que corre sereno proporcionando sonhos e fantasias.

Os camarotes repletos de gente mostravam o prazer de estar numa festa organizada. A comida apropriada à noite, a bebida a bel prazer. As atrações tinham em seu programa músicas que sensibilizavam a plateia que vestia o verde, cor de esperança de um Brasil melhor. Saulo, embora baiano, acompanhado pela pernambucana Nena Queiroga, conhecida pelo excelente frevo animaram os foliões com excessiva movimentação e felicidade. Desconhece-se tipo de música tão animada. Movimenta o corpo, descontrai a mente e nessa mistura de ação dá aos assistentes uma vontade infinita de frevar. As duplas sertanejas Simone e Simaria e Matheus e Kauan completaram a alegria e a animação da festa do RHP.

O Rio São Francisco era-nos apresentado pela onda humana que levantava seus braços e os balançavam em forma de onda do mar alto, que nesta cena eram as correntes fluviais do grande São Francisco.

A sociedade estava em peso e o Segura a Seringa abriu o “Carnaval Pernambucano”. O Real Hospital Português todos os anos está aberto para que seja uma manifestação de companheirismo ao estado e ao Recife.

2018 está marcado com vitalidade, animação, alegria de um carnaval que faz parte integrante de uma presença que dá o grito das Festas de Momo inesquecíveis. As palavras do Provedor Alberto Ferreira da Costa comprovam o valor de uma Instituição que tem o objetivo da descontração de seus colaboradores juntamente com Pernambuco que sabe ser folião, esquecer a crise e esperar um ano positivo para que no próximo todos lá estejam e possam continuar a dizer: a melhor festa carnavalesca é o Segura a Seringa.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.