Lugar Incomum: princípio, meio e fim!

Sandra Santana
Escritora e assistente social

Publicação: 01/02/2018 03:00

Quando decidi escrever um livro, isso se tornou minha verdade. Minha atividade livre. O se sentir livre ao fazer algo. Quando decidi escrever, decidi que faria algo por mim, algo meu, que me retratasse, que me revelasse. Que contasse sobre mim, mas sabia que não se tratava de uma biografia, na realidade era algo que até ali nem eu conhecia. Porém, precisava descobrir o quanto isso era profundo e, principalmente, verdadeiro. Ser referência de mim mesma trouxe-me insegurança, mas não podia voltar atrás, aquela emoção tinha tomado conta de mim e despertado uma capacidade até então desconhecida: justamente a de criar e contar estórias!

Tudo isso trouxe-me também o meu início, o meu nascimento. Foi como o florescer de uma manhã de verão clara, límpida e bem quente. E ao me deparar com essa sensação, senti que tudo a partir dali tinha um novo sentido e eu estava diante da minha verdade. Eu tinha um sonho a ser realizado que, como já disse, era escrever um livro. E com ele uma abalável certeza se poderia realizá-lo. Perguntava-me: será que preciso apenas de mim, de quem eu sou agora e da capacidade que tenho para realizar?A resposta foi não, pois todos precisamos de ajuda, parceria e colaboração. Ao mesmo tempo o sentimento de acreditar em mim mesma aparecia de maneira aguda e feroz. Eu era, então, princípio.

Assim, acreditei no sonho e pari meu primeiro romance Lugar Incomum, que para a minha felicidade estará nas livrarias do Brasil e Portugal nesse primeiro trimestre de 2018, pela Chiado, editora portuguesa. Compartilho que nesse processo de criação vieram muitas perdas e precisei durante a jornada de realização, com o trem andando, decidir o que ainda valia recuperar e o que não era mais importante “perder tempo”. Refiro-me a memórias, lembranças, e escolhas feitas até então. A entrega foi total, me desprendi o quanto pude de tudo que foi necessário para fazer essa viagem e me descobrir escritora. Sim, escritora!

Mas além de escritora, um pouco empreendedora.  Afinal, para realizar um sonho existe princípio, meio e fim. E nessa caminhada encontrar quem se interesse e queira publicar sua obra não é das missões mais fáceis. Porém, quando se cultiva a inquietude dos que desejam realizar, recomeçar, resignificar as coisas, tudo é possível. E aqui estou compartilhando uma experiência que pode, talvez, ser referência a outras pessoas em situações semelhantes ou não!

Alegro-me ainda mais que nesse momento, quando ainda estou vivendo o período ansioso dos preparativos para o lançamento de Lugar Incomum, especialmente na minha cidade natal que é o Recife, já estou também no processo de criação de um novo “rebento”. Ou seja, Lugar Incomum será apenas o primeiro de muitos outros livros que deverão ser publicados por essa mais nova escritora que vos fala, sendo eles próprios, por consequência e essência por dentro e diante de mim princípio, meio e fim!

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.