O mercado mudou. E você, empreendedor?

José Oswaldo Ramos
Diretor-superintendente do Sebrae em Pernambuco

Publicação: 29/11/2017 03:00

Muito provavelmente o mercado dos seus negócios mudou muito nos últimos cinco anos. Você pode achar que foi por conta da crise econômica, política ou por acaso. Mas, possivelmente, mudou por causa da crise do envelhecimento. Isso mesmo! Muitos empresários, principalmente os mais tradicionais, não têm enxergado que o cliente e o cenário mudaram. Nos últimos anos, a forma como interagimos, convivemos e consumimos mudou radicalmente e dois dos principais motivos foram a popularização dos smartphones e o acesso à internet.

Já são 208 milhões de celulares inteligentes, segundo pesquisa da FGV-SP, e a tendência é que esse número cresça 19% nos próximos dois anos. Com mais acesso a outras tecnologias ainda emergentes, como inteligência artificial, internet das coisas, robótica, impressoras 4D, computação nas nuvens, as mudanças na sociedade e nos negócios serão cada vez mais velozes. Ou seja, o mercado continuará mudando e será cada vez mais complexo e difícil para as empresas que ainda são resistentes à inovação. Quem estiver atento a essas movimentações e preocupado em implantar pequenas inovações constantemente sairá na frente. Pensando nisso e com o apoio do Banco do Nordeste, o Sebrae criou o evento Negócios de Futuro, que tem como objetivo discutir quais são as oportunidades e quais são as ameaças e como essas novas tecnologias vão impactar o mercado.

Também vamos apresentar novos modelos de negócios com foco na transformação digital e o perfil empreendedor conectado a esse ambiente em rápida evolução. Você que está lendo pode estar se perguntando: “estou com tantos problemas urgentes para resolver. Como vou ter tempo para pensar no futuro?”. É com você que estamos mais preocupados. Porque o futuro é agora e a velocidade com que as mudanças estão acontecendo não permite que você ache que seu negócio está imune. A ruptura no seu mercado pode estar mais próxima do que você espera.

Um dos primeiros passos para começar a se adaptar a esse novo cenário é deixar de ver seu cliente como cliente e passar a vê-lo como usuário. Essa simples mudança de perspectiva fará com que você deixe de se preocupar apenas com a entrega do produto ou serviço e passe a criar experiências e cocriar novas soluções com o usuário do seu negócio. Mudar e acompanhar as mudanças fará você sair na frente. Quase prevendo o futuro, uso um trecho do livro Inevitável: 12 forças tecnológicas que mudarão o mundo, de Kevin Kelly, autor referência em tecnologia e em futurismo: “os sujeitos grisalhosos de 2050 dirão: ‘já pensou como teria sido incrível inovar em 2017 ou 2018? Era uma verdadeira terra de ninguém, dava para escolher qualquer negócio, salpicá-lo com inteligência artificial e jogar na nuvem. Poucos dispositivos tinham mais de um ou dois sensores, em vez das centenas de sensores atuais. As expectativas e barreiras eram baixas. Era fácil ser o primeiro’”.

Vivemos a melhor época de toda a história da humanidade para começar algo e não podemos deixar as oportunidades passarem. Por isso, esperamos vê-lo no evento Negócios de Futuro, que vai acontecer no Recife Antigo, dentro da programação do Rec n’ Play, de 30 de novembro a 3 de dezembro, para desenvolvermos tudo isso juntos.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.