39 anos do Porto de Suape

Marcos Baptista Andrade
Presidente de Suape

Publicação: 07/11/2017 03:00

Há 39 anos, o sonho de um grupo de pernambucanos tornava-se realidade. A ideia da criação de um porto industrial no caminho para o Litoral Sul do Estado ganhou força, devido às condições físicas e geográficas oferecidas pela região, localizada entre os municípios do Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca. Em 7 de novembro de 1978, nascia o Complexo Industrial Portuário de Suape. Quatro anos antes, o governador Eraldo Gueiros havia lançado a pedra fundamental do que se tornaria a locomotiva da economia pernambucana.
Suape é um projeto de muitos governos e cidadãos comprometidos com o desenvolvimento do Estado. Ao longo desses 39 anos, o trabalho incansável das equipes que passaram pelo Complexo atraiu em torno de 100 empresas e R$ 50 bilhões de investimentos privados. Esses empreendimentos empregam mais de 18 mil pessoas. Mas ainda temos muito trabalho a fazer, aproveitando o enorme potencial que Suape possui para se desenvolver.
Foi com muito esforço que chegamos ao posto de primeiro lugar na movimentação de graneis líquidos (combustíveis, petróleo e derivados) entre os portos públicos do país. Somos o porto mais importante e estratégico das regiões Norte e Nordeste, liderando a movimentação de cargas em contêineres, além de sermos o principal porto na navegação de cabotagem.
Em 2016, encerramos o ano com a marca de 22,7 milhões de toneladas de cargas, o que nos elevou para a 5ª posição entre os portos brasileiros. Fomos o porto público que mais cresceu, com uma taxa de 15%. Tudo isso é resultado de um planejamento de longo prazo integrado com o desenvolvimento da região. Isso permite que sejamos reconhecidos por uma das melhores infraestruturas portuárias do país, com o diferencial de termos um complexo industrial agregado ao porto.
Em 2018, Suape completará 40 anos com grandes projetos em pauta, que vão gerar mais emprego e renda para os pernambucanos. O segundo terminal de contêineres, por exemplo, com investimentos previstos em R$ 1 bilhão, vai alavancar a capacidade dos atuais 700 mil TEUs (medida de 20 pés equivalente a um contêiner) para mais de 1,7 milhão de TEUs. Outros grandes projetos estão em pauta. É o caso da termelétrica, do terminal de regaseificação de Gás Natural Liquefeito (GNL), do arrendamento do pátio de veículos e do truck center.
Mesmo durante a crise econômica, Suape não perdeu seu protagonismo regional. Isso é comprovado pelo interesse de vários grupos de empresários internacionais que manifestam a vontade de investir aqui. Agora que a retomada econômica já é uma realidade, estamos prontos para a chegada de novos empreendimentos e oportunidades de negócios. O governador Paulo Câmara sempre afirmou que, por conta do nosso equilíbrio fiscal e da nossa infraestrutura, Pernambuco sairia na frente quando esse momento chegasse.
Tendo o Complexo Industrial Portuário de Suape como seu maior ativo econômico, Pernambuco retomará seu ciclo virtuoso de crescimento. Estamos investindo numa gestão ágil, pautada pelo desenvolvimento sustentável e o diálogo com a sociedade. Com a dedicação e o empenho de todos os nossos colaboradores, tenho certeza que continuaremos no caminho certo.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.