Plenário da Câmara - a reprise

Dóris Maria Lima dos Santos
Advogada e escritora

Publicação: 02/11/2017 03:00

Não tenho o costume de gastar meu precioso tempo quando se trata da repetição de algum filme, documentário, seja o que for. A não ser quando se trata de algo de suma importância; do contrário prefiro me dedicar a ler um livro de sério autor que venha a me acrescentar mais cultura e conhecimento necessários à minha mente. Porém, em 25/10, eis que ligo a TV, a fim de me manter informada de fatos que ocorreram no Brasil e no resto do mundo. Para minha surpresa, na tela surge um cenário que não me pareceu estranho, percebo então que estou a visualizar a reprise do que ocorreu no plenário da Câmara dos deputados em 02/8/17, quando a primeira denúncia contra o Sr. Temer foi rejeitada por aquela casa. O que o levou ao êxtase, pois as armas usadas naquele período atingiram o tão esperado êxito.
Na minha singela opinião, levar a segunda denúncia à Comissão de Constituição e Justiça, (CCJ) e ao plenário da Câmara foi tempo desperdiçado, posto que há outros assuntos de interesses bastante sérios para serem discutidos e votados que são de importância ímpar para o povo em geral, como melhoria no sistema de saúde pública, educação e outro que é um ponto nevrálgico para todos nós que é a questão da segurança, que atualmente vem a tirar todo o sossego nosso porque saímos de casa, tanto nós, filhos, enfim, toda a população, sem saber se haveremos de voltar. Esses sim, são assuntos que a cúpula de Brasília devia direcionar sua atenção, fazendo jus aos votos que os eleitores utilizaram para lá os colocarem.
O resultado da votação não foi algo tão expressivo, o que indica que o presidente talvez não venha a continuar imperando cercado por toda a sua corte e tropa de choque com muita facilidade. Mas foi o que todos estávamos aguardando; mas fácil do que surrupiar o doce da boca de um bebê. Vergonhoso cada parlamentar que votava “SIM” ao relatório do deputado Bonifácio Andrada, repetia ipsis litteris o discurso dos seus aliados, que estavam votando de acordo com as diretrizes dos seus partidos, ou que a denúncia era inepta e sem respaldo jurídico que a justificasse. Será que o ex Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot mesmo sendo um jurista de vasto conhecimento, de acordo com o relator, estaria em conluio com os delatores da JBS? A falta de respeito às instituições continuam a fazer parte do vocabulário dos aliados do Sr. Temer. Muitos outros justificaram seu voto a favor do relatório justificando que o presidente precisava continuar no poder a fim de dar continuidade às suas malfadadas reformas e o crescimento da economia do país como um todo, será?! Sr. Temer continuará ocupando o cargo, com o intuito de corresponder aos anseios da classe empresarial, dilapidando o patrimônio nacional com suas estapafúrdias reformas, privatizando, entregando nosso patrimônio, através da privatização da Eletrobrás e suas subsidiárias como a Chesf, prejudicando outrossim os trabalhadores que aos poucos vão perdendo seus direitos constitucionais, deixando a população sem esperança da uma aposentadoria digna, se é que vai se aposentar.
Restou do resultado da votação, revolta e vergonha ao povo brasileiro. Nada mais!

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.