Caixas sem os caixas!?!?!?...

Jaime Xavier
Mestre em Administração de Negócios pela COPPE %u2013 RJ. Socio-Diretor da XConsult - Consultoria Empresarial

Publicação: 26/10/2017 03:00

Quem de nós já não passou pela experiência desagradável de permanecer longos minutos em uma fila de caixa de uma loja, sendo frequente isso acontecer nos supermercados, esperando sua vez para registrar e pagar pelo que adquiriu.

Pior ainda ultimamente, quando parece que todas as empresas do setor decidiram eliminar a figura do empacotador, colocando o cliente para trabalhar na embalagem das suas próprias compras o que atrasa ainda mais o processo.

Acrescente-se a isso tudo o fato dos funcionários que ocupam a função apresentarem quase sempre um comportamento desagradável e mesmo grosseiro. Veja se você não lembra de já ter vivido alguma destas situações:
  • mudez cadavérica – não falam – parece que perderam a língua
  • antipatia crônica – não conseguem sorrir
  • conversa paralela – você não existe – só o outro colega
  • lentidão compulsiva – pressa é problema seu!
  • falta de troco – pega com o caixa ao lado (curiosamente ele sempre tem)
Claro que, como em tudo no mundo, existem as exceções e,muitas vezes, conseguimos nos deparar com pessoas atenciosas, delicadas, esforçadas em bem servir e demonstrar interesse em solucionar problemas e esclarecer dúvidas, mas infelizmente isto não é o que ocorre na maioria das vezes.

Pois bem, em parte devido ao volume de reclamações que recebem, a economia representada pela redução de mão-de-obra, e também é claro, pela modernização aportada pelas novas tecnologias e oportunidades que isso pode representar, empresas varejistas, principalmente dos Estados Unidos e Japão, iniciaram há algum tempo, experiências para implantar em suas lojas, os chamados self-checkouts (veja alguns vídeos sobre isso no site www.xconsult.com.br).

É evidente que, em um primeiro momento, todos nós estranhamos o fato de pagarmos nossas compras em um caixa sem funcionários, entregues à nossa própria sorte e sem encontrarmos alguém que nos ajude a buscarmos solução para fazermos o que é necessário.

No entanto, é bom lembrarmos que, há pouco tempo, para efetuarmos nosso check-in nos aeroportos, pagarmos contas, fazermos retiradas de valores em bancos, pagarmos estacionamentos etc, necessitávamos da assistência de funcionários, e hoje todos estes processos e muitos outros, já se encontram em grande parte automatizados, sem a necessidade da participação humana para sua realização.

Por isso, caro amigo cliente, lembre-se dessa futura realidade, na próxima vez em que for a uma loja, e se compadeça daquela figura, que mesmo com todos os seus defeitos e antipatias, daqui a mais algum tempo poderá desaparecer, levando ao desemprego milhões de pessoas em todo o mundo.

E você empresário, dedique um tempo maior ao treinamento destes profissionais, preocupe-se em remunerá-los melhor e dar-lhes estímulos para que, enquanto esse futuro não se transforma em presente, seus funcionários dos caixas se transformem, não em um ponto negativo do serviço que você deve prestar, mas em um elemento de conquista e fidelização dos clientes, à sua marca e ao seu estabelecimento.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.