Os prepotentes sucumbem

Ary Avellar Diniz
Diretor do Colégio Boa Viagem e da Faculdade Pernambucana de Saúde

Publicação: 07/10/2017 03:00

A história mundial é pródiga ao relatar ações cometidas por determinados líderes que esbanjaram prepotência, como se estivessem vivendo uma vida eterna de prazer e poder.
O filme Os últimos dias de Hitler mostra com fidelidade a derrocada do império nazista. Nos seus últimos dias de vida, apelava o ditador para as tropas americanas chegarem à Alemanha, baqueada e sempre com receio das tropas soviéticas revanchistas, que avançavam em terras germânicas sem piedade, bombardeando tudo que viam pela frente.
Final triste o de Hitler, prepotente, sanguinário, mas vencido e humilhado até o cerne do seu abominável ser.
A prepotência acaba por desequilibrar profundamente a natureza do homem, o seu controle emocional, tornando-o suscetível de alcançar até o campo da psicopatia.
A figura do chefe norte-coreano Kim Jong-un, ostentando uma coleção de armas nucleares, preenche todos esses pré-requisitos físicos e mentais de arrogância, a ponto de pôr em perigo a humanidade, que ultrapassa os 8 bilhões de pessoas.
Imagine o desastre que pode acontecer!
Do lado diametralmente oposto, na posição de potentíssimo adversário, encontra-se pronto para revidar qualquer ação de guerra, de consequências imprevisíveis, o presidente norte-americano Donald Trump.
Trump x Kim. Bomba de lá e bomba de cá: não há planeta que resista, o que só poderá causar forte desequilíbrio terrestre. Será inevitável o quadro dantesco? A poeira atômica invadindo a atmosfera, levando o ser humano à morte, a exemplo das catástrofes de Hiroshima e Nagasaki, mesmo consideradas de proporções bem menores…
O pior é que há a previsão religiosa do Apocalipse, e ninguém sabe se está prestes a acontecer!
Mas nem tudo está perdido! O atual cenário escatológico se deve a conjecturas. As autoridades mundiais estão presentes e atentas. Devemos confiar nas mentes mais esclarecidas e equilibradas, pois o bem nunca será derrotado pelo mal!
Infelizmente, não se pode desprezar o que tem acontecido no Brasil, cheio de prepotentes que tentaram destruir a Nação carreando para seus bolsos e apartamentos, ou comprovadamente escondendo no exterior, bilhões de reais do erário público. O Rio de Janeiro, coitado, a mais sacrificada unidade da federação, vítima de extorsivos roubos, tem aguardado o posicionamento das autoridades, a fim de que os transgressores da lei, verdadeiros tiranos opressores, sucumbam e paguem caro o preço de tanto sofrimento impingido à população. E que o dinheiro roubado seja devolvido aos cofres públicos.
Não é brincadeira retirar recursos da merenda escolar do pobre estudante, dos medicamentos hospitalares, dos salários educacionais e de outros funcionários administrativos, provocando debacle nas contas do governo. Alguns elementos nocivos já prisioneiros estão comendo o pão que o diabo amassou.
Todos os prepotentes fatalmente sucumbirão.
“Contra a força não há resistência.” — Gestores da Nação, pressionados ou impulsionados pela sociedade, já não admitem o povo ser explorado, a Nação ser vilipendiada. E que o martelo de madeira bata tantas vezes quantas forem necessárias, para o bem do Brasil e da justiça nacional.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.