Avanço da Odontologia. A evolução tecnológica dos aparelhos ortodônticos

Flávio Stéfann Sousa de Carvalho
Ortodontista da Rideto

Publicação: 22/09/2017 03:00

A evolução da odontologia nas últimas décadas é notória. A novidade de produtos de altíssima tecnologia e qualidade vem transformando a realidade bucal dos brasileiros. Na Ortodontia esta realidade mostra-se ainda mais evidente, pois associamos estética e função, beleza e qualidade de vida, trazendo benefícios outrora não imaginados!

Decerto, a população brasileira busca investir seu tempo e recursos naquilo que lhe traga maior benefício, deixando pra traz a visão de que saúde bucal é algo difícil e limitado, desmistificando a premissa que devemos buscar atendimento odontológico somente em casos de dor.

Nesta vertente, podemos afirmar que os bons profissionais e a tecnologia que o mercado nos apresenta têm trazido entusiasmo ao setor odontológico. Contamos, atualmente, com aparelhos ortodônticos com sistema de baixo atrito, além de fios superelásticos de titânio que têm revolucionado a mecânica ortodôntica, podendo, inclusive, reduzir em até 40% (quarenta por cento) o tempo de tratamento.

Além disso, é sabido que a forma correta de tocar os dentes uns nos outros, a maneira como mastigamos e o desequilíbrio dentário impactam diretamente no nosso sistema, pois somos um ser único. Consequência disso é que, invariavelmente, o desequilíbrio dentário pode causar dores de cabeça, gastrites e até distúrbios de obesidade, promovido pela má ingestão e digestão dos alimentos.

Outro fator relevante a ser observado é que a Ortodontia moderna atua, também, no tratamento dos distúrbios do sono, como roncos e até apneias. Os estudos recentes confirmam que o uso de aparelhos tem ajudado sobremaneira nestes problemas, inclusive da vida dos casais.

Apesar de todos os avanços, vale ressaltar que a maior precaução ainda reside na busca de bons profissionais, pois fórmulas mirabolantes e mágicas não existem. Somente um bom ortodontista pode trazer a melhor solução para cada problema, não mais podemos aceitar tratamentos infindáveis a custos irrisórios, que, em decorrência dos insucessos, percebe-se que tempo e saúde não têm preço.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.