Educação antecipadora

Francisco Gomes de Matos
Presidente do Conselho da ABA Global Education

Publicação: 31/08/2017 03:00

Recentemente, ao participar do Congresso Mundial de Linguística Aplicada, no Rio de Janeiro, aproveitei para conhecer o extraordinário Museu do Amanhã. Nele, passei inesquecíveis momentos de Educação Antecipadora, uma nova forma de educar, centrada em antevisões construtivas e preventivas. Em uma das salas com recursos midiáticos interativos, fui desafiado a antecipar minhas atitudes como cidadão planetário daqui a duas décadas.

Após a interação, fui ‘diagnosticado’ como um ciber cidadão ousado. Nesta época de crescente atenção global para futuros promissores, educar-se antecipadoramente é mais que um desiderato: uma necessidade. Assim, na formação de crianças e jovens, precisamos desafiá-los a antecipar situações e soluções para os problemas diversos. Em nosso contexto brasileiro, o que pode ser antecipado, ambiental, econômica, política e socialmente? Como? Por quê?

Globalmente, o que a geração atual pode antecipar para os próximos decênios? Ser antecipador requer uma base sólida em dignidade, direitos humanos e paz. O que o (a) leitor (a) anteciparia para o bem de sua família, de sua comunidade, de seu país, do Planeta? Por quê? Antes de participar de projetos e iniciativas inovadoras em contextos público e privado, formulamos indagações antecipadoras?

Somos motivados por sites do tipo futurism.com que, semanalmente, informa sobre ações/realizações a serem concretizadas em futuros próximos? Em nossas escolas, do ensino fundamental ao ensino superior, a educação antecipadora deveria ocupar um lugar primacial, embasada em uma educação aprofundada, identificada como educação imaginativa. Atualmente, a educação imaginativa é desenvolvida em Simon Fraser University, Canadá, no IERG-Imaginative Education Research Group, dirigido pelo notável educador Kieran Egan.

Educar bem e para o bem constituem um imenso desafio para os co-responsáveis pelo desenvolvimento mental, moral e multimodal dos educandos de hoje e do amanhã. Que entre nós frutifiquem os princípios e as práticas da educação antecipadora.

Na criativa seleção de temas para redações relevantes, os professores de português e de línguas estrangeiras poderiam sugerir aos alunos que explicitassem o que antecipariam para o Brasil e para o Mundo, justificando suas antevisões. Pensar antecipadoramente traduzir-se-ia em textos reveladores de uma cidadania-futurista.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.