A municipalização do Festival de Inverno de Garanhuns

Ivo Tinô do Amaral
Foi o criador do FIG, prefeito de Garanhuns por 2 mandatos e deputado estadual em 2 legislaturas

Publicação: 24/08/2017 03:00

Quando criado pela Prefeitura de Garanhuns, na minha gestão à frente da municipalidade, o FIG ainda não contava com muita estrutura e com os apoios necessários, era apenas o início de um sonho. O papel de empresários da terra e do empenho dos órgãos municipais foi fundamental para a gênese do evento. Já no primeiro ano, o governo do estado mergulhou de cabeça, seja com suas secretarias e seu imprescindível apoio, seja com a organização estrutural da Fundarpe.

Chegamos ao 27º ano de um Festival nascido e criado para se eternizar no calendário cultural do nosso estado e de nosso país, sendo hoje declarado patrimônio imaterial de Pernambuco, por iniciativa da deputada Terezinha Nunes, projeto de lei aprovado por unanimidade na Assembleia Legislativa e sancionado pelo governador Eduardo Campos.

Em relação à estrutura do Festival, é de conhecimento básico que um evento desse porte tem que contar com uma correlação de forças atuando em conjunto para almejar um espaço salutar, agradável e divertido para a população. Não podemos apenas sonhar que serão investidos milhões de reais quando temos necessidades mais urgentes em outras áreas de atuação dos governo do estado e do município.

Criado na minha gestão, idealizado pelo jornalista Marcílio Reinaux e abraçado pelo governo do estado, com o então governador Joaquim Francisco que no dizer dele: “comprou a ideia”, o Festival tomou proporções gigantescas e gera uma ativo – financeiro e cultural – inigualável para Garanhuns, mas necessita que todos (estado, município e empresariado) trabalhem em consonância com o projeto.

Tenho ouvido manifestações de excelente políticos da nova safra, como Priscila Krause e Daniel Coelho nas respectivas casas legislativas estadual e federal, pedindo a municipalização do FIG sob o argumento que o governo do estado atrasa a divulgação da programação do Festival e isso traz prejuízos. Apesar do respeito que tenho aos mesmos, acredito que suas posições são equivocadas e carecem de esclarecimentos de quem já viveu por dentro uma festa desse porte.

Concordo que a programação traz um certo atraso que pode vir a causar transtornos; mas a estrutura de pessoas qualificadas, o denodo, o profissionalismo e o empenho da Fundarpe, da Secretaria de Cultura e Turismo do Estado e dos demais órgãos estaduais envolvidos suplantam qualquer argumento que o melhor seria a municipalização.

Vivemos uma crise política sem precedentes nos últimos 30 anos, e a reboque vieram os infindáveis problemas financeiros, grassando pelas esferas federal, estadual e municipal; o formato atual, com o governo do estado com sua equipe, que comanda o FIG desde sua criação - é o único capaz (estrutural e financeiramente) de manter um evento dessa magnitude e diversidade e até mesmo de ampliar suas funções e atividades.

Precisamos ter em mente que o FIG não é somente a esplanada Mestre Dominguinhos, são as artes cênicas, como o teatro, o circo, as oficinas e também a excelente programação do Pau Pombo, no palco instrumental, as artes visuais e audiovisuais e, também, a literatura, as palestras, as exposições e o palco popular Ariano Suassuna, a dança, a música erudita, os mamulengos. Isso sem falar no “Som na Rural”, no palco forró, fotografia, artesanato e gastronomia, entre outros.

A municipalização do evento, portanto, é um equívoco que se assim for levado a cabo é o decreto do fim do Festival de Inverno. Mas nesses tempos de dinheiro curto, como diria o homenageado Belchior: Viver é melhor que sonhar! E vivemos um grande festival mais uma vez.

O Festival de Inverno de Garanhuns não é apenas um legado que deixarei, ele é indissociável daqueles que amam a nossa terra e não querem ver acabar a maior manifestação multicultural do Brasil. O FIG não pertence ao governo do estado ou do município, a nenhum prefeito ou governador, mas sim ao povo de garanhuns e ao pernambucano.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.