A fórmula para dias melhores

Vânia Portela
Psicóloga clínica e organizacional. Coach e sócia da Portela & Cavalcanti.

Publicação: 01/08/2017 03:00

Como diz o ditado, “cada um no seu canto chora seu pranto”. Uns por conta do desemprego, que gera falta de perspectiva de vida num País que não contribui com qualquer esperança de dias melhores; outros, por irem todos os dias para seus empregos sem a menor parcela de motivação, consumidos pelo tempo investido no trabalho que lhe rouba o prazer de viver e não lhe oferece nenhuma recompensa mais digna do que pagar suas contas.

Diante deste cenário, o potencial humano, soterrado em meio à busca pela sobrevivência, torna-se eco e não voz, sentido, porém inatingível. Distanciamo-nos da nossa essência, deixando a cada dia um rastro de frustração, ansiedade e decepção no nosso caminhar. É este o sentido da vida? Não há espaço para este tipo de questionamento quando as exigências da sobrevivência se impõem e o automatismo turva a visão, distorcendo a percepção de quem somos e do que queremos. Ou merecemos. Os sonhos viraram fantasias.

Até onde somos responsáveis pelo nosso desconforto? E se o somos, qual a saída? Como buscar um novo caminho em direção a uma vida melhor? Como resgatar aquele potencial ora escondido que em algum momento alimentou nossa motivação? Qual a fórmula para nos levar a encontrar a melhor performance diante da vida?           

P = p - i  
Criador do coaching, Timothy Gallwey, um dos maiores mestres vivos do nosso tempo, diz que performance (P) é igual a potencial (p), menos interferência (i). Quando descobrimos qual o nosso potencial, a próxima etapa é identificar as interferências internas e externa que nos afastam dele e trabalhar para resolvê-las. Esta é apenas a ponta do iceberg de um aprendizado que abre as portas para as grandes mudanças que desejamos fazer em nossa vida pessoal ou profissional. Muitas pessoas  procuram ajuda em busca de um novo rumo de vida.

No dia 17 de agosto deste mês, Timothy Gallwey estará no Recife para falar sobre ”A essência da liderança e do aprendizado por experiência”. Do alto de sua sabedoria e com a simplicidade que só os grandes mestres possuem, ele falará sobre o jogo interior que habita nossa mente e que bloqueia o nosso potencial.

Se há uma coisa que podemos ou pelo menos devemos controlar, são as nossas ações. Elas que farão a diferença no rumo que desejamos dar às nossas vidas. Se temos muito a aprender sobre isso, Timothy tem tudo a nos ensinar.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.