EDITORIAL » O sucesso feminino nos esportes

Publicação: 31/07/2017 03:00

Os pernambucanos acabam de ganhar um afago na autoestima graças ao bom desempenho de uma mulher nos esportes. A atleta Etiene Pires de Medeiros, nadadora com apenas 26 anos, tirou das águas um presente de peso para o estado onde nasceu. Na semana passada, conquistou mais um título. Desta vez é campeã mundial dos 50 metros costas no Mundial de Esportes Aquáticos, em Budapeste, na Hungria. Venceu a final da prova com tempo de 27 segundos e 14 centésimos. Isso significa apenas oito centésimos atrás do recorde mundial. Não só isso. É a primeira mulher brasileira a se sagrar campeã em mundiais de natação.

A pernambucana, iniciada no esporte aos dois anos por questões de saúde, transformou, sem nem saber, um problema em conquistas. O bom desempenho de Etiene Medeiros tem um forte simbolismo. Não só pelo ineditismo do título. Mas pelo debate sobre gênero implicado em competições do tipo. A participação feminina nos esportes quebra estereótipos machistas porque demonstra, na prática, que mulheres não são fracas e incapazes. Na contramão desse pensamento, os campeonatos comprovam, na verdade, força física, liderança e capacidade estratégica das mulheres.

O sucesso feminino nos esportes e sua representatividade não são novidade. Um exemplo disso é a história da atleta Wilma Rudolph. Nascida prematura, negra e pobre, teve paralisia infantil aos 4 anos. Começou a chamar atenção quando conquistou uma medalha de bronze no revezamento 4x100 m, nos Jogos Olímpicos de Melbourne de 1956. Depois disso, protagonizou uma longa carreira de sucesso a ponto de, em 1961, ser eleita a melhor atleta amadora norte-americana.

O ano passado foi bem representativo nesse sentido. Os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, por exemplo, tiveram como um dos temas a igualdade dos gêneros. Além disso, a lei 13.272/2016 instituiu o ano de 2016 como o Ano do Empoderamento da Mulher na Política e no Esporte. Sem dúvidas, ainda faltam incentivos à participação da mulher nos esportes, vide as escolinhas de futebol repletas do público masculino,  seja em campo, seja na arquibancada, e o destaque dado para os atletas de competições masculinas.

As conquistas de Etiene Medeiros deixam uma reflexão necessária para uma população ainda machista e protagonista de feminicídios. É demonstração da fortaleza feminina nos diversos campos de atuação social. É mais um grito contra o machismo.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.