Da palafita ao tatame

Paulo José Barbosa *
paulobarbosa@movimentoprocrianca.org.br

Publicação: 27/07/2017 03:00

O Judô do Pró-Criança é hoje referência em Pernambuco e no Nordeste. Os judocas que participam desse projeto tiveram o melhor desempenho na primeira etapa do Campeonato Estadual deste ano (2017), sendo o campeão com 22 medalhas, 10 (dez) de ouro, 8 (oito) de prata e 4 (quatro) de bronze, tendo também conquistado 5 (cinco) medalhas (duas de ouro) no Campeonato Brasileiro Regional. Em 2016 a instituição foi reconhecida, pela Federação Pernambucana de Judô, como campeã estadual.

Como prática esportiva, o judô é considerado uma das modalidades mais importantes para a formação integral do estudante, pelos ensinamentos que transmite através da disciplina, ordem e respeito aos praticantes, durante a formação e nas disputas de torneios realizados.

No projeto do Pró-Criança participa cerca de 200 crianças e adolescentes na sua grande maioria, das faixas mais pobres da população da Região Metropolitana do Recife, residindo em favelas e palafitas.

Em visita ao Pró-Criança, a pentatleta olímpica e atual secretária executiva da Prefeitura do Recife, Yane Marques, lembrou: “A trajetória no esporte é árdua, mas traz recompensas. Para mim, tudo que consegui até hoje na vida foi através do esporte”.

No esporte, como em qualquer outra atividade, vai ser sempre necessária a busca de aplicação e rendimento. No Pró-Criança não faltam exemplos de superação, muitos têm conseguido alcançar posições jamais imaginadas, com sua força de vontade e apoio dessa instituição. É o caso de Luciana Maria, tricampeã do Campeonato Brasileiro Regional de Judô e muitos outros, entre eles: Mário Ferreira, hoje técnico em informática; Bernardo Lourenço, professor de música e Wanderson Wanderley Souza, bailarino da Ópera de Berlim (Alemanha).

Os beneficiários do Pró-Criança, apesar das dificuldades originais, têm capacidade de ascender na sociedade, só precisam de apoio.

* Diretor do Movimento Pró-Criança

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.