Procuram-se crianças empreendedoras

Guilherme Gonçalves
Coordenador de Inovação da ABA Global Education

Publicação: 05/07/2017 03:00

Alguns anos atrás, quando fiz meu primeiro projeto voltado para empreendedorismo para crianças, recebi uma mensagem de uma mãe que reproduzo aqui: “Deveria ser proibido escrever as palavras ‘criança’ e ‘empreendedorismo’ na mesma frase”. Como empreendedores, eu e o restante do grupo envolvido preferimos nos concentrar no que a grande maioria dos pais dizia, ou seja, exatamente o contrário. Hoje, não restam dúvidas de que cada vez mais essas palavras precisam estar conectadas.

Mas, vez por outra, volto ao pensamento daquela mãe indignada com a nossa proposta. Talvez, ela entenda empreendedorismo de uma forma pejorativa, que necessariamente tiraria da criança a alegria do brincar ou a inocência natural desta fase da vida. Preciso admitir que, se fosse desta forma, seria mesmo um equívoco. Empreendedorismo é muito mais do que abrir empresas e ganhar dinheiro.

Quando falo sobre crianças empreendedoras, significa que elas conseguem identificar-se como parte do mundo, capazes de enxergar os problemas que precisam ser resolvidos e as respectivas soluções inovadoras. Isso envolve várias habilidades relevantes para o século 21, como criatividade, iniciativa, pensamento crítico e capacidade de lidar com os desafios. Essas, sem dúvidas, são o tipo de criança que já fazem a diferença na escola e em casa, mas certamente farão muito mais no futuro. Podem vir a abrir novas empresas ou não. Esse não é o ponto central.

O empreendedorismo para as crianças pode ser dividido em quatro eixos básicos que estão totalmente interligados e são essenciais para a formação delas: cidadania, sustentabilidade, educação financeira e negócios. Após alguns anos, envolvido com um programa de empreendedorismo, no qual trabalho com crianças de 6 a 10 anos, constato que os resultados superam as expectativas. As crianças praticam esses quatro pilares, desenvolvem-se de forma extraordinária e se divertem muito.

Em outra experiência, é estratégico ser ainda mais prático porque trabalhamos com projetos específicos e abertos para crianças de 8 a 12 anos. São quatro os temas: educação financeira, produto e mercado, gestão de empresas, e negócios digitais. Cada tema tem seus próprios desafios, todos com o mesmo objetivo de engajar turmas de pré-adolescentes. O interessante deste projeto é que cada um desses cursos ou oficinas pode ser levado para dentro das escolas interessadas ou a qualquer grupo fechado de crianças.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.