Governança e a nova Bolsa de Valores: Missão RUMO B3

Boris Berenstein
Médico, presidente do Boris Berenstein Imagem & Laboratório e do Núcleo RUMO de Governança Corporativa - Pernambuco.
opiniao.pe@dabr.com.br

Publicação: 10/05/2017 09:00

Ao longo de quase 5 anos, Pernambuco conta com uma iniciativa inédita formada por um grupo local que reúne empresários, membros de famílias empresárias, executivos, consultores, advogados e demais interessados preocupados em tratar do emblemático tema da governança corporativa e das empresas familiares. O projeto RUMO, assim denominado, tem como principal objetivo disseminar esses assuntos na região inspirando empresários a permitirem a longevidade dos seus negócios. E, hoje, posso dizer que, atuando como presidente do Núcleo RUMO, sinto que a troca de experiência e as oportunidades de conversas que a confraria nos proporciona tem me ajudado bastante a trabalhar alguns dilemas na minha empresa e família.

Como fruto desse trabalho inspirador que estamos desenvolvendo, ainda no primeiro semestre do ano passado, a B3, na época BM&FBovespa, demonstrou interesse em tomar conhecimento do trabalho que o Projeto RUMO vinha construindo no estado e nos convidou para fazer um workshop conjunto. Poucos meses depois, realizamos o evento e foi um sucesso. E foi daí que iniciamos essa grande parceria, na qual já estamos com algumas ações previstas para esse ano e que certamente renderá bons frutos para ambos. Nós que fazemos o Núcleo Rumo, consideramos que o convite feito pela B3 mostra a dedicação e seriedade com que estamos trabalhando para estimular, ainda mais, o desenvolvimento da nossa região.  

O ponto de partida da união será no dia 18 de maio, através da “Missão RUMO B3”, que irá levar uma comitiva formada por 23 empresários e executivos do estado para uma visita à sede da B3, em São Paulo. Será um dia inteiro de programação envolvendo todo o simbolismo da Bolsa, incluindo abertura do pregão e palestras sobre oportunidades de investimentos para a abertura de capital. Aproveitando o gancho e lembrando um pouco sobre a minha trajetória de vida, essa ida à antiga Bovespa será um momento de grande significado para mim, já que, há quase meio século, durante a minha vida acadêmica, trabalhava vendendo ações da bolsa. Fui um dos vendedores das ações da Ciquine Petroquímica em meados da década de 70. É verdadeira uma volta ao túnel do tempo! Agora, com essa missão, na qual estarei coordenando, terei realmente a oportunidade de conhecer in loco como funciona o pregão da bolsa. 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.