EDITORIAL » Desengavete e doe um agasalho

Publicação: 10/05/2017 09:00

Tirando o que circula sobre o interrogatório do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira, das notícias e mensagens que correm pelas redes de comunicação via celular ou computadores a mais criativa e útil trata do frio do inverno e de como um ato de boa vontade pode fazer diferença para alguém. “Pegue aquela blusa mais quente ou um cobertor que você não usa mais. Lave, coloque na bolsa ou deixe no carro”, sugere o texto. Nesses dias de frio, completa, “você irá passar por alguém sem agasalho algum e lembre-se que o frio dói”.

A ideia é das mais simples. Tem mais valor quando combinada com o recente informe da Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac), que prorrogou o alerta para sinais de chuvas fortes para a Região Metropolitana do Recife (RMR) e Zonas da Mata e Sul de Pernambuco até esta quarta-feira. Doações individuais, do cidadão que faz uma revisão no guarda-roupas antes de dormir pensando em um desconhecido, serão muito bem aproveitadas por quem busca um agasalho num dia chuvoso ou de baixas temperaturas para o padrão da cidade. Por idosos e crianças sobretudo, muitos dos quais com baixa imunidade e propensos a gripes nesta época do ano. Mobilizações coletivas, empresariais ou até familiares têm resultados maiores. Se não recebeu nenhuma corrente ou mensagem, comece uma. Proponha a alguém próximo. Um casaco ou uma colcha esquentará a pele de uma pessoa ao menos.  

Porque, para a classe média,  lidar com alagamentos e a lentidão no trânsito são incômodos causados após um dia chuvoso. Para outros, problema maior está nas áreas de riscos. Para a parcela dos mais pobres da cidade, a falta de uma coberta que aqueça no inverno é o pior. Tira até o sono, garante quem frio já passou. É bom lembrar que pode ser o começo do período invernoso, apesar de o inverno de 2017 no Brasil só ter início oficialmente em 21 de junho, porque - segundo a Apac - só nas últimas 24h foram registrados 64 milímetros de chuvas acumuladas, ou o equivalente a seis dias de média histórica para o mês de maio.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.