Leitura de Bernarda e multiplicação dos frutos: Casa Azul

Raimundo Carrero *
raimundocarrero@gmail.com

Publicação: 08/05/2017 03:00

Duas belas notícias me agradam profundamente   estes dias: a leitura dramática  do meu romance       A História de Bernarda Soledade pelo grupo de Fabiana Pirro, Silvia Góes e Ana Furtado, além de Cláudio Ferrário, Lucas, Adjalma e outros, além da inauguração do Sebo Casa Azul, no sítio histórico de Olinda.

A História de Bernarda Soledade – a tigre do Sertão é o meu primeiro romance, escrito em 1973 e lançado em novembro de 1975 pela editora Artenova, do R io de Janeiro, em convênio com a Prefeitura do Recife,   na administrção do prefeito Antônio Farias, com prefácio de Ariano Suassuna, criador e líder do Movimento Armorial.  

Conta a história da guerra que Bernarda promoveu contra os fazendeiros do Sertão em pé de profunda desigualdade para a caça, criação e venda de cavacos selvagens, tudo metafórico como convém à literatura. São registrados embates, lutas e seduções, numa quase guerra de sexo que resulta na solidão eterna das mulheres Bernarda, Inês e Soledade.

A leitura me enche de alegria e orgulho porque sempre sonhei com Bernarda no palco até porque a personagem nasceu  para o teatro. Lembro-me perfeitamente da noite em que comecei a escrever a peça, depois reescrita como romance, no apartamento da família em Casa Amarela. Em seguida fui para a Fazenda Figueira, em Orobó, onde concluí o trabalho cinco dias depois.

A leitura do por tudo isso parece-me magnífica, pelo empenho, profissionalismo e dedicação do grupo, e pela beleza e plasticidade da apresentação, que se aproxima muito de um grande espetáculo teatral, com distribuição de cenas e de papéis. O evento será no Centro Cultural Raimundo Carrero, quarta-feira, dia 10, às 20 horas, na Avenida João de Barros, em frente ao supermercado Extra.

E ainda mais: os frutos literários se multiplicam com a inauguração, sábado passado, do Sebo Casa Azul, o espaço cultural de Samarone Lima no sítio histórico de Olinda, através do lançamento do romance A Tempestade, de J.C. Marçal,que pretendemos resenhar logo.

* Escritor e jornalista

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.