Maurílio Ferreira Lima

Almeri Bezerra de Mello *
opiniao.pe@dabr.com.br

Publicação: 08/05/2017 03:00

Está escrito no livro de crônicas publicado pela Fundação Joaquim Nabuco Para além dos verdes mares que, quando Maurílio nasceu, Dona Zezé teve um sonho: “Seu filho seria presidente”. Quando Maurílio cresceu, Dona Zezé revelou: “Vais ser presidente!”. E Maurílio abriu o mapa da vida, olhou, corrigiu esperto o caminho e disse pra Aninha, sua eterna e nobre companheira: Vamo! E se foi”.

No Recife virou advogado. Em Limoeiro elegeu-se deputado estadual e logo depois federal. Foi-se para Brasília e sem demorar muito, foram chegando os generais-presidentes, os atos institucionais e destes, o Quinto mandou o Deputado Maurílio para... Alger..

Foi aí que nos conhecemos. Todos os brasileiros que lá  chegamos, expulsos pelo golpe militar de 1964, tínhamos uma referência que era o Doutor Arraes em cuja casa – com a atenção e paciência de Dona Madalena, nos reuníamos e alguns trabalhavam e continuavam a nossa luta contra a ditadura e pela volta da democracia no Brasil.

E as circunstâncias nos levavam à luta em outras fronteiras. Todos nos empenhamos na luta pela libertação da Angola, Da Guiné-Bissau e Cabo- Verde, do Moçambique e até do Timor que poucos sabiam, e ainda hoje muito poucos sabem, onde é que fica esta ex-colônia portuguesa.

Maurílio foi de todas estas lutas e quando chegou o dia da Angola festejar a sua independência, lá estava Maurílio em Luanda, em torno do camarada-presidente Agostinho Neto e de velhos militantes do MPLA (Movimento de Libertação da Angola).  E não demorou muito, Maurílio abordou o presidente do partido, o grande chefe Lúcio Lara, e perguntou ”onde é que está o camarada Almeri?  O camarada Lúcio não demorou: chamou o Ccmarada Jacinto – já nomeado ministro da Educação - e disse-lhe: manda chamar o camarada Almeri, que está em Alger, para que venha organizar o Serviço de Alfabetização de Adultos em Angola.

Maurílio era assim. Fiel aos amigos, mas, sobretudo fiel às causas pelas quais lutou até outro dia quando... se encantou.

* Representante adjunto do Unicef na África do Oeste e ex-presidente do Serviço Social Agamenon Magalhães

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.