Governo amplia o ensino técnico e profissionalizante no estado

Luiz Ernesto Mellet
Gestor governamental da Secretaria de Planejamento de Pernambuco

Publicação: 18/04/2017 03:00

Nos anos oitenta, o antropólogo Darcy Ribeiro preconizava que se o país não construísse escolas não haveria cadeias suficientes para trancafiar os presos. Não que ele fosse uma espécie de oráculo, na verdade foi um dos maiores educadores e indigenistas do país, cujo vaticínio parece se confirmar nesses tempos, quando pipocam rebeliões em presídios e o cidadão brasileiro se sente acuado e com medo de andar pela rua. Então, como não enaltecer um governo com visão de futuro que tem na educação sua prioridade?

Determinado a manter Pernambuco no topo do ranking entre os estados que oferecem a melhor educação pública no país, o governador Paulo Câmara inaugurou em Caruaru mais uma Escola Técnica Estadual (ETE). São agora 36 desses centros de ensino com aulas em regime integral e ensino profissionalizante que habilitam o estudante a ingressar no mercado de trabalho.

É difícil mensurar o impacto que a disseminação das escolas técnicas em todo o estado provoca na vida de milhares de jovens. Sem elas teriam pouca chance de escapar de um destino sombrio, uma vez que boa parte dos matriculados vem de famílias de baixa renda que ocupam os estratos mais vulneráveis e, não raro, coexistindo na marginalidade. Sem esta oportunidade, provavelmente uma geração inteira estaria fadada a replicar aos filhos a mesma existência trágica, seguindo o mesmo ciclo que persiste há décadas como uma maldição no país.

De modo que a inauguração de um centro de ensino deste porte em Caruaru – o quarto no Agreste – se reveste de dimensão maior que perpassa as paredes dos laboratórios de informática e do aprendizado das ciências. Essas escolas são verdadeiras fábricas de sonhos que alimentam a esperança de uma juventude inteira de conquistar um futuro melhor.

São mais de 14 mil vagas que abriram este ano para 24 cursos nas ETEs. Número que se reveste de relevância no entendimento de que se agora estão na condição de alunos aprendendo um ofício, dentro em pouco, vão estar aptos a ocupar espaço no mercado de trabalho. As opções de ensino técnico de nível médio permitem que os estudantes tenham a oportunidade de receberem qualificação profissional sem ter de sair da região em que mora. Os cursos são organizados por eixos tecnológicos: ambiente e saúde, informação e comunicação, gestão e negócios, infraestrutura e controle de processos industriais.

O ensino profissionalizante e técnico faz parte da realidade de muitos países desenvolvidos. O sistema educacional dos Estados Unidos, por exemplo, tem nesse modelo boa parte da sua força econômica que, por sinal, é a mais pungente do planeta. Com a ampliação das escolas técnicas em todas as regiões, o governo do estado pavimenta o caminho do desenvolvimento de Pernambuco, abrindo as frentes para um futuro com mais justiça e menos desigualdade. Porque a educação tem a capacidade de mudar as pessoas. E são elas que verdadeiramente podem fazer um mundo melhor.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.