Por que se rouba tanto celular

Mauro Ferreira Lima
Professor da UPE

Publicação: 13/04/2017 03:00

A população está cada dia mais amedrontada. O sentimento geral é de desproteção e encurralamento. Os índices de violência no Recife e em todo o estado, nunca foram tão elevados. De certo, o problema é complexo e desafiador por envolver múltiplas causas que vão da crise econômica geral, até às precárias condições sociais, passando pelo desemprego crônico, pelas carentes condições policiais e pelo choque entre as ações destes e a flagrante permissividade judicial. Haja complexidade! Apesar disso tudo, é de se esperar, ainda, uma reação mais eficaz do governo local para combater esse horror que os pernambucanos vivenciam.

Entre outras ações que abordarei em próximos artigos, pinçarei aqui “uma importantíssima” que poderá ser muito eficaz caso a SDS a considere estratégica para reduzir tal quadro de violência. Refiro-me aos assaltos cotidianos a pessoas e ônibus para, principalmente, apossarem-se de celulares. Estes, viraram moeda de troca no mercado. Há toda uma cadeia de negócios que vai da “compra” de bujão de gás, do abastecimento das inúmeras ilegais “feiras do troca” até ao pagamento do tráfico de drogas. O principal atrativo do assalto a um ônibus é saber que ali se terá surrupiado de 10 a 15 celulares, em média, por cada ônibus. Isto representa cerca de 50 a 750 reais, no mínimo, nos repasses que são feitos pelos assaltantes para esta viçosa cadeia de negócios.

Há poucos dias, após um assalto a uma agência bancária local, uma quadrilha foi desbaratada em Maria Farinha e seus participantes presos graças a uma identificação do local, via um aparelho celular de uma das vítimas assaltadas na agência. Pronto, aí está o caminho a ser trilhado para uma ação policial efetiva que poderá trazer resultados imediatos.

Parece que, como se diz nas ruas, “a ficha ainda não caiu” para esta SDS se aperceber da importância disso. Ressalto que foi divulgado na Internet, de forma TÍMIDA, que as pessoas deveriam anotar o IMEI do aparelho e informá-lo à Secretaria. Reconheça-se que esta ação já está em prática há 3 semanas mas, “ainda” de forma extremamente amadora e não contundente. Isso tem que ser MASSIFICADO! Quando os assaltantes tiverem o conhecimento e a certeza de que poderão ser localizados e presos, haverá chance de se reduzir drasticamente tais assaltos.

Há que se atingir de morte a sensação de impunidade. Quem quiser se arriscar, já estará sabendo que pode ser localizado e preso por assalto ou roubo. Talvez não cheguemos a ser uma Israel, onde não se assaltam nem roubam celulares, e, mesmo aqueles encontrados na rua têm zero chance de ter valor ou serventia. Estão bloqueados!

Para isto funcionar pra valer há que ser realizada pela SDS uma campanha massiva e tonitruante nos meios de comunicação rádio, TV , outdoors , internet e sobretudo via empresas de ônibus, através da Urbana, para que sejam colocados busdoors durante 60 dias nas unidades que circulam na RMR e no estado. Após este período de comunicação ruidosa, se manteria a campanha de forma mais soft. Parar, só quando isto estiver impregnado como informação que adverte o meliante para o risco dessas investidas. Está aí uma chance REAL E EFETIVA de se reduzir o terror dos assaltos a pessoas e ônibus em Pernambuco e sobretudo nas vias do Recife

Diante dessa preocupante escalada da violência a sociedade cobra da SDS uma ação corretiva eficaz, articulada, pronta e rápida. Para “ontem”. Não dá mais para estender e conviver com esse clima de terror. Basta!

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.