Saccorthytus

José Carlos L. Poroca
Executivo do segmento shopping centers

Publicação: 07/04/2017 03:00

As manhãs não têm sido frescas nem estimulam a penúltima soneca antes de saltar da cama para o batente. Quando o sol dá o ar de sua cara já mostra a que veio. As manhãs estão de relações cortadas com a temperatura amena, amigas de longas datas. Os termômetros, pelo visto, estão trabalhando com algum tipo de aditivo que envenena os seus ‘motores’, fazendo com que, antes do meio dia, fique a poucos metros do sol.

Não temos o frio de lascar europeu nem sofremos com os incômodos da neve, não somos impedidos de ir para a rua para não correr riscos etc. Também não precisamos vestir aquelas roupas pesadas que mudam os corpos. Quando casacos e ceroulas são guardados, as paixões nascidas no primeiro frio podem sumir e ir junto com a neve em processo de derretimento.

Volto ao meu país tropical. Confesso que não sei tudo o que o calor excessivo produz. Sei da necessidade de beber muita água, tomar banho pelo menos uma vez por dia, evitar os raios sobre o corpo exposto em determinados horários. Os raios solares produzem queimaduras, rugas, envelhecimento etc. Produzem mais e poucos tem a coragem de dizer que afetam as cucas humanas e não apenas as tropicais; se estendem por todo o Planeta, inclusive em regiões onde a temperatura média/ano fica em torno de 10ºC.

A tese precisa ser mais bem estudada, pois, como explicar que, em pleno Séc. 21, estejam fazendo as mesmas coisas que os impérios otomano e romano fizeram, abocanhando terras de outros a qualquer custo? Como explicar que, à sombra das ondas cibernéticas, estejamos espiando a vida do vizinho, para saber o que fazem e o que comem? Como achar uma explicação para ter, nos tempos atuais, grupos que, em nome de uma religião, jogam bombas em inocentes e decapitam pessoas que não seguem o mesmo credo? Só pode ser a influência dos raios solares.

Essa interferência solar também afeta a minha cuca. Quando ainda estava na dúvida, com apenas três opções sobre minha origem - (a)Adão, (b) um ser alienígena ou (c) o macaco -, grupo de cientistas (Alemanha, China e Reino Unido) descobre que o ancestral mais antigo dos humanos é um tal de saccorhytus, exemplar primitivo que vivia entre os grãos de areia no fundo do mar. Importante: os bichinhos tinham ânus e, pelo mesmo orifício, comiam e descomiam. Será que, nesse processo, também vamos dar o return?

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.