Criminalidade globalizada

Roque de Brito Alves
Professor e advogado

Publicação: 30/03/2017 03:00

1 – Entendemos que atualmente o crime está deixando de ser “organizado” para mais ampla e progressivamente tornar-se “globalizado”, acompanhando, assim, a tendência da economia mundial e particularmente das finanças e comércio internacionais. Mundo “globalizado” com a criminalidade também naturalmente “globalizada”, que somente será extinta com a eliminação da lavagem de dinheiro e não com a repressão policial ou maior rigor da lei penal.

Sem dúvida, em nossos dias, os recursos financeiros relacionados, direta ou indiretamente, às atividades ilícitas bem como às associações humanas criminosas (“máfias” de todas as espécies, em todos os países) que impressionam por seu poder, extensão, ramificações e modos de execução puníveis, bem estruturadas – muitas vezes com uma estrutura superior à do Estado inclusive com “aposentadoria” para mafiosos, muito melhor que a estatal para os seus funcionários... – , sob um profissionalismo criminoso que não admite concorrência, contestação ou traições, sob pena de terríveis medidas contra as mesmas.

2 – Principalmente, a lavagem de dinheiro (o “dirty money”, dinheiro criminoso, de origem ilícita, “sujo” transformado em dinheiro “legal”), o tráfico de tóxicos ou de pessoas (para imigração ilegal, para transplantes de órgãos, etc.), o lenocínio, o contrabando de armas, o jogo ilegal, etc. são os crimes mais típicos, importantes que são produtos de tal globalização delituosa através de redes ou de organizações – as máfias, como exemplo – que movimentam bilhões de dólares.

3 – Destacamos que tem sido constatado – sobretudo a partir de 1990 – o fenômeno, em diversas nações, de variada troca de informações e mesmo remessa de recursos financeiros entre as sociedades criminosas, usando-se a tecnologia, a divisão de tarefas ou de áreas de atuação e assim, por exemplo, a máfia italiana mais para o tráfico de drogas, a russa para a exploração da prostituição, etc. em uma inegável globalização da criminalidade do mesmo modo que as economias mundiais modernas estão relacionadas, mesmo interligadas (as empresas multinacionais são exemplos) – através dos sistemas financeiros e de comércio. Comunicam-se ou interligam-se, assim, as diversas máfias italiana, norte americana, russa, colombiana, chinesa, japonesa, etc. – para um êxito maior da atividade criminosa.

4 – Atualmente, muito da criminosa “lavagem de dinheiro” é realizada sobretudo através de atividade comercial, sob forma pseudo-legal com várias empresas mais do que por transações bancárias pois, agora, em muitos países, há maior rigor ou vigilância com normas rígidas sobre as mesmas e muitas vezes os crimes são praticados pelos denominados “cidadãos acima de qualquer suspeita”.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.