EDITORIAL » Prejuízos da corrupção

Publicação: 28/03/2017 03:00

Entre 4.800 frigoríficos do país, 21 são investigados por cometerem irregularidades no processamento de carne bovina e de aves.  A má estratégia de divulgação das ilicitudes apuradas pela Operação Carne Fraca resultou em enorme prejuízo à imagem do Brasil, em um setor em que o produto brasileiro detém a liderança do ranking mundial. Resultado: 28 países da União Europeia; China e Hong Kong, na Ásia; e Egito, na África, embargaram a mercadoria nacional. Só no ano passado, o país exportou US$ 13,77 bilhões, o equivalente a 7,4% de tudo que o país vende no mercado internacional.

Dez dias após o episódio, apesar de todo o esforço do governo brasileiro, para circunscrever as irregularidades a menos de 0,5% do total de unidades frigoríficas do país, apenas três países, em um universo de 31, recuaram do embargo aos produtos nacionais: China, Chile e Egito. Outros 10 mantêm suspensas as compras dos frigoríficos investigados. A maioria dos importadores reforçou o controle sanitário sobre as mercadorias originárias do Brasil. A reação dos importadores reduziu em 19% as vendas no mercado externo.

O pano de fundo do escândalo é a corrupção entre fiscais  pelo menos 33 do Ministério da Agricultura, empresários e políticos. Os servidores públicos, responsáveis por inspecionar a qualidade da carne ganhavam propina para fazer vista grossa à manipulações fora dos padrões recomendado pelo protocolo sanitário.

Ontem, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, reconheceu que funções técnicas não podem ser ocupadas por indicações políticas, mesmo que o apadrinhado tenha formação compatível para o exercício do cargo.

O equívoco cometido pela Polícia Federal foi pontual. A corporação tem se mostrado extremamente eficiente nas apurações da Operação Lava-Jato, que vêm, a cada dia, desmascarando celebridades do mundo político. Se 21 ou menos frigoríficos estão envolvidos em esquemas espúrios, é preciso chegar ao fim das apurações e punir os responsáveis.

Além da carne, o brasileiro convive com a falência da saúde, da educação, da segurança e de outros setores. Paga-se preço exorbitante pela corrupção protagonizada por homens públicos inescrupulosos, que jogam sujo contra a sociedade, movidos por uma ganância desmedida. Os escândalos em cadeia, que há décadas assolam o país, dão prejuízo financeiro e reduzem o grau de credibilidade da nação.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.