Colégio Nóbrega - Patrimônio do Saber

Eduardo Corrêa Monteiro
Ex-aluno e ex-professor do Colégio Nóbrega

Publicação: 21/03/2017 03:00

Neste último dia 19 de março, foi comemorado o centenário de fundação do Colégio Nóbrega, data das mais marcantes para milhares de homens e mulheres que tiveram o privilégio de nele estudarem.

Teve a sua origem nas instalações do secular Palácio da Soledade, na Avenida Oliveira Lima, em 1924. Com a grande procura de alunos, foi dado início a construção de um novo prédio, para abrigar as novas turmas, e também o semi-internato e internato, devido à demanda de alunos de outras cidades e estados do Nordeste.

Por 89 anos, de 1917 a 2006, quando as suas atividades foram encerradas, o Nóbrega teve uma atuação da mais alta relevância na formação moral, intelectual e religiosa, de várias gerações. Primava pelo seu pioneirismo, na busca incessante pela excelência acadêmica e na promoção humana e espiritual dos seus alunos.

Estudar no Nóbrega era um sinal, quase uma certeza, de aprovação nos mais diversos vestibulares para as universidades, não só do estado, mas também em instituições renomadas nacionalmente, como ITA – Instituto Tecnológico da Aeronáutica e o Instituto Rio Branco. Tudo isto devido ao seu excelente e qualificado corpo docente, do qual faziam parte diversos professores que também lecionavam em universidades.

Por seus bancos e bancas passaram representantes das famílias mais ilustres da região, como aluno ou professor, convivendo de forma fraterna com inúmeros filhos de humildes funcionários, crianças que moravam em subúrbios longínquos e muitas delas não desperdiçaram aquela oportunidade e se tornaram grandes vencedores dos desafios da vida.

Cometeremos com certeza grandes injustiças, se citarmos nomes de professores e alunos que nestas quase nove décadas, vieram com o passar do tempo  atingir notoriedade não só em Pernambuco, mas também  nacionalmente e alguns até o  nível internacional, nas atividades politicas, jurídicas, literárias, engenharia, física entre outras.

A todos os padres jesuítas, diretores, professores e funcionários a nossa eterna gratidão, representada na pessoa do Padre Pedro Vicente, ex-aluno, professor e diretor e profundo conhecedor da importância do Nóbrega, na educação de tantas gerações.

Do Nóbrega nunca me afastei, fui professor, como engenheiro construí o prédio do curso primário, casei com uma funcionária, psicóloga, e os meus filhos no Nóbrega também estudaram.

Quem estudou no Nóbrega sabe o que significa ser um ex-aluno Nóbrega, pois ser aluno é algo passageiro, é uma etapa da formação, mas ser ex-aluno principalmente do Nóbrega, é eterno.

“Que a semente plantada no coração de vocês continue produzindo na vida de cada um, uma família que contribui para a existência de uma sociedade mais justa, que gere a paz e a felicidade no cidadão brasileiro. Adeus! Meu inesquecível Colégio Nóbrega! Corre, corre ó lagrimas saudosa...” Padre Santana SJ, Ex- Diretor e Provincial

O Nóbrega  não  era apenas mais um colégio, ele  ia mais além que um centro acadêmico de ensino, era  uma  escola de formação de lideranças, um patrimônio do saber.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.