A luz no fim do túnel

Ary Avellar Diniz
Diretor do Colégio Boa Viagem e da Faculdade Pernambucana de Saúde

Publicação: 01/03/2017 03:00

O Planeta Terrestre tem sofrido conturbações em certas localidades em razão de terremotos e erupções vulcânicas, como é o caso do Japão, do Chile e do Haiti; já outras nações são atingidas constantemente por vendavais e furacões, a exemplo dos Estados Unidos e do Canadá; e há aquelas que se amedrontam com enchentes devastadoras e incêndios arrasadores (Austrália, Califórnia (EEUU), além de outras calamidades cuja verdadeira significação apenas o Criador pode explicar.

O Brasil, felizmente, tem sido abençoado por Deus, pois não é assolado por essas catástrofes da natureza, embora, no último triênio, os abalos morais tenham provocado efeitos negativos em seu povo; de resto, abalos causados não pela intervenção das forças naturais, mas sim, por pessoas inescrupulosas, de ganância ilimitada e extremamente insaciáveis quanto à subtração de recursos públicos, que só pertencem aos brasileiros como coletividade!

Toda essa bandalheira causou péssima repercussão nos países civilizados. Foram três anos de angústias e expectativas frustradas de melhoria no cenário nacional. Quanto despudor dos agentes da corrupção, chegando ao pretensioso desplante de destruir o sistema de inteligência do Estado, mascarando e encobrindo ações infamantes.

O governo atual, desde o ano transato e início de 2017, vem enfrentando a conjuntura mediante adoção de medidas saneadoras, com especial destaque para a sua equipe econômica e os baluartes da moral e do direito, que são os incansáveis homens da Justiça Federal.

As luzes começam a despontar no fim do túnel! O dólar tem-se enfraquecido diante do real, batendo recordes de declínio: possivelmente antes do carnaval, deverá atingir o patamar abaixo de ou equivalente a três reais. Na verdade, trará pequenos prejuízos à exportação, mas outros imensos benefícios virão por osmose.

O dragão da inflação despenca; e, em menos de um ano de trabalho sério e honesto, alcançou a metade do seu percentual, isto é, baixou de 9 para 4,5%, impulsionado o seu decréscimo pelo notável desempenho do agronegócio, o qual se pode considerar salvador da pátria.

Outro exemplo de algo que vem beneficiando os brasileiros é a queda dos juros, vislumbrando-se brevemente alcançar a Taxa Selic patamar abaixo de 10%, o que torna o crédito mais barato, inclusive para adquirentes da casa própria.

O Brasil respira melhor e sente-se mais confortável com a queda dos bolivarianos na América do Sul. Os maus por si só se destroem. O freio foi puxado, cessando as orgias de um passado recente pelo uso excessivo de recursos do BNDES, destinados a investimentos populistas em países da América Latina e África, a fundo perdido (!).

Exemplo digno de reflexão, a delação de 77 executivos da maior empresa brasileira e uma das maiores do mundo, a penitenciar-se diante da nação pelos negócios ilícitos praticados no país e fora dele: resigna-se, enfim, a caminhar legalmente, dando inequívocas demonstrações de que o crime não compensa.

Notícia publicada na imprensa local (17/02/17): “4,8 bilhões serão pagos pelo FGTS aos trabalhadores”, o que significa mais moeda circulante no Brasil.

Atualmente, o governo sente a necessidade de implantar outras medidas, que já se encontram a caminho: reformas nos campos econômico, político e social.

Para finalizar, os carnavais no Rio (mais de cinco milhões de foliões sambando pelas ruas da cidade), no Recife e Olinda (que só pensa grande com seus bonecos) aconteceram com todo o fervor do frevo. Será que a alegria está sendo retomada pelos brasileiros?

Só falta ser criado o bloco carnavalesco “Túnel Iluminado”!

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.