Dom Helder Camara - O Santo dos Direitos Humanos

Marcelo Santa Cruz
Advogado / Militante dos Direitos Humanos

Publicação: 07/02/2017 03:00

No dia de hoje, 7 de fevereiro de 2017 comemoram-se os 108 anos de nascimento de Dom Helder Pessoa Camara, décimo primeiro filho de João Eduardo Torres Camara Filho, guarda-livros e de Adelaide, professora primária. Dos treze filhos do casal, apenas sete “se criaram”, sendo que quatro deles, justamente os mais novos, se foram, um a um, durante numa epidemia de Crupe, em 1905. Quando ele nasceu, em 1909, o repertório de nomes prediletos dos pais já fora utilizado nos filhos anteriores. Seu João foi então, até a estante da sala, apanhou um velho atlas geográfico e começou a folheá-lo, até deparar com um ponto no norte da Holanda chamado DEN HELDER, que caiu no seu agrado. E para dissuadir Adelaide, que pretendia batizar o recém-nascido de José, argumentou que assim já haviam chamado um dos meninos que morrera, e isso poderia trazer má sorte.

Desde bem novo, Helder manifestou o desejo de ser padre. De tanto ouvi-lo falar a respeito, o pai um dia chamou-o para uma conversa. Ele teria 8 a 9 anos de idade.  “Você sabe de verdade o que significa ser padre”, seu João perguntou. Uma pessoa que quer ser padre não pode ser egoísta, não pode pensar só em si mesma. Além disso, os padres acreditam que, quando se celebra a Eucaristia, o próprio Cristo está presente. Você já pensou nas qualidades que devem ter as mãos que tocam diretamente o Salvador? O pequeno, então, respondeu: Se ser padre é como o senhor está dizendo, é isso que eu quero ser. E tanto fez que se ordenou sacerdote em 1931, com 22 anos, dois a menos do que exigia o Direito Canônico, o que somente foi possível mediante autorização especial do Vaticano.

Dom Helder foi o Dom do Amor e da Justiça Social. Solidário, parceiro da paz, autor de corajosas denúncias e ações em defesa dos perseguidos, um nordestino com os olhos voltados para o mundo. Será, com absoluta certeza, o Santo dos Direitos Humanos.

Em nosso país, registro entre inúmeras outras iniciativas, Dom Helder teve destacada atuação na Fundação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, na organização da Campanha da Fraternidade, no Movimento Ano 2000 Sem Miséria, que inspirou os comitês e a bela e humanitária campanha do Betinho, Ação da Cidadania Contra a Fome e a Miséria pela Vida. Várias entidades não-governamentais também foram criadas e até hoje trabalham sob sua inspiração, como o Instituto Dom Helder Camara (IDHEC), Centro Dom Helder Camara de Estudo e Ação Social (CENDHEC), Mulheres contra o Desemprego, Igreja Nova, Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP) e o Movimento dos Trabalhadores Cristãos (MTC). Por seu trabalho, sua dedicação, seu amor ao próximo e à justiça, dom Helder Pessoa Camara tornou-se um ícone da Paz, Esperança e da Cidadania. Não apenas em seu país, mais em todo o mundo. Plantou uma valiosa semente dos Direitos Humanos, que germinou, tornou-se árvore frondosa e continua dando bons frutos. Por isso, dom Helder Camara, será com absoluta certeza aclamado, o Santo dos Direitos Humanos.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.