Muito perto do inferno (II)

Murilo Cavalcanti *
opiniao.pe@dabr.com.br

Publicação: 23/01/2017 03:00

Há solução para a questão da violência. Aqui no Recife, por exemplo, começamos uma boa iniciativa de prevenção à violência urbana, na Zona Norte da cidade, ao estabelecermos uma política integrada no território, através do COMPAZ, um moderno equipamento de cidadania, difusor da cultura de paz e não violência, que está mudando radicalmente o comportamento de milhares de jovens que são atendidos no Centro Comunitário da Paz, que hoje é conhecido como “Fábrica de Cidadania”. O COMPAZ é uma iniciativa ousada e inovadora do prefeito Geraldo Julio, quebrando definitivamente a lógica perversa de se fazer “obra pobre para quem é pobre”. Tudo, absolutamente tudo no COMPAZ é voltado para a cultura de paz e não violência. O COMPAZ pode ser uma boa referência para uma possível política nacional de prevenção à violência urbana nos territórios violentos e degradados.

A violência não escolhe cor, raça, ou renda, mas são notadamente os mais pobres que sofrem com os efeitos e as causas da delinquência.

O Brasil precisa restabelecer urgentemente a paz social. As autoridades públicas brasileiras precisam entender que a vida de cada ser humano é sagrada. Não há outro caminho para a tão almejada paz social que não seja a de reconhecer que vivemos um grave problema de segurança pública no Brasil, e que as autoridades públicas, juntamente com a sociedade civil, busquem imediatamente medidas urgentes que possam reverter a escalada da violência nos grandes centros urbanos brasileiros. Repito: nenhuma política isoladamente, na área de segurança pública, restabelecerá a paz social no Brasil. Política de prevenção, fortalecimento das polícias, reestruturação do sistema prisional, urbanismo social nos territórios mais degradados, endurecimento das leis para enfrentar o crime organizado, são algumas medidas que, para terem resultados, precisam caminhar juntas. O exemplo colombiano mostra isso: mão dura e mão social. Uma para prevenir o crime, a outra para punir severamente os transgressores da lei.

A segurança é um requisito para o exercício dos direitos e deveres do cidadão, sem ela, é impossível se desfrutar das plenas liberdades individuais. Sem ela, a justiça se converte em um sonho nunca realizado. E a vida vira um inferno.

* Secretário de Segurança Urbana da Cidade do Recife

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.