Primeiros beijos ao vivo na televisão brasileira

Giovanni Mastroianni
Advogado, administrador e jornalista

Publicação: 05/01/2017 03:00

A atriz Vida Alves faleceu, dia 3, aos 88 anos de idade, por falência múltipla dos órgãos, após uma semana de internamento em hospital paulista, consequência de uma cirurgia. Vida Alves tornou-se famosa por haver exibido, em 1951, o primeiro beijo na boca na televisão brasileira. O inédito fato ocorreu na extinta TV-Tupi na novela Sua vida me pertence, tendo como parceiro o ator e diretor Walter Foster, um dos mais famosos astros da televisão e do cinema brasileiros.

Àquela época, as novelas eram de pequena duração e apresentadas ao vivo, pois ainda não eram utilizados, no Brasil, os recursos atuais do videoteipe com gravações antecipadas. Combustível da paixão, o beijo jamais havia sido exibido até então, apesar, de segundo a própria atriz, ser, apenas, um beijo técnico, com um simples encostar de lábios. Mesmo assim, necessitou de um ensaio antecipado, que, por incrível que pareça, ocorreu na residência da recém-casada atriz e, para surpresa de todos, na presença do desconfiado marido, que, inicialmente, reagiu à cena, até que afinal cedeu ao ensaio e posterior apresentação na telinha, A já saudosa atriz, depois, comentou, detalhadamente, o momento que se tornou histórico: “Walter, em pé, fez um pequeno carinho no meu cabelo, na face, nos braços e juntou os lábios de leve aos meus. Eu me mantive estática, aguardando algo... e não aconteceu nada. Walter exclamou: pronto”. Quando indagada, comentava: “Não foi uma coisa diferente. Foi um simples beijo, não uma ‘beijoca’, como dizem nos dias atuais. Não se tratava de uma coisa anormal, daqueles beijos com estalido. Apenas uma pálida junção de lábios".Esse raro acontecimento constituiu-se em um dos maiores destaques na mídia, sendo bastante comentado. Não seria, entretanto, menos relevante do que uma outra novidade da qual Vida Alves foi, também, destaque, protagonizando o primeiro beijo homossexual da televisão brasileira, nos idos de 1960, em 1963, para ser mais preciso, quando da exibição do teleteatro A Calúnia, encenado com a famosa atriz Geórgia Gomide, naquela mesma emissora.

Há poucos anos, em entrevista concedida a uma revista, Vida Alves afirmou não ter havido qualquer espécie de discriminação por parte dos telespectadores. “Houve comentários sim, asseverou, mas não houve qualquer manifestação drástica dos fãs com referência a mim. Julgaram-me, sim, mas sem quaisquer ataques de forma considerada bastante agressiva”.

Vida Amélia Guedes Alves, seu nome de registro, era mineira, nascida em 15 de abril de 1928. Além de atriz de rádio, foi pioneira na televisão nacional, o que lhe outorgou o direito de integrar a Associação dos Pioneiros Profissionais Incentivadores da Televisão Brasileira e presidente do Museu da TV, cujas finalidades regimentais eram resguardar a memória dos pioneiros da televisão no país. Biografada em Vida Alves, sem medo de viver, há dois anos, lançou a obra literária Televisão Brasileira: o primeiro beijo e outras curiosidades. Fato curioso aconteceu quando assistindo a uma missa, o pároco anunciou que, entre os fiéis, estava a atriz que dera o primeiro beijo ao vivo na televisão. Bastante envergonhada, defendeu-se: “Padre, não estou no confessionário.” Avó da cantora e compositora Tiê, tia do cineasta Leal Rodrigues, agora distribuirá beijos aos anjos, no céu.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.