Importância da família

Meraldo Zisman
Médico psicoterapeuta

Publicação: 05/01/2017 03:00

A família é o tronco de onde brotam os ramos das futuras gerações. Quando o tronco não é sadio dificilmente dele brotará ramos sadios. Como pediatra, não me faltaram oportunidades de acompanhar o crescimento e desenvolvimento dos meus pequenos pacientes e suas famílias. Logo, do ponto de vista da criança, alcancei e pude identificar as modificações do progresso na dinâmica da família atual: as influências e transformações históricas de uma geração para outra, as diversidades econômicas, fases do ciclo da vida, nascimento dos filhos do primogênito aos demais, casamentos, divórcio, separação, mudança de estado social, a família quando os filhos saem de casa, muito deles para casar e outros para viverem em casas separadas dos pais. Outros, a permanecerem por mais tempo com os pais, dado a problemática econômica, prolongado processo de aprendizado à custa de preparos jamais exigidos ao jovem para conseguir o primeiro emprego. A própria moradia das classes médias, o desaparecimento dos quintais, a morada de apartamento, o transporte, o automóvel, o celular, a mídia, senilidade dentro de casa com os avós. Além do mais os casamentos e recasamentos cada vez mais frequentes: meus filhos, teus filhos e nossos filhos, a atividade sexual.

Agora, como psicoterapeuta fico mais sabedor e comprovador da importância de um meio familiar funcionante para o porvir da criança. Bastaria comparar as minhas papeletas pediátricas, registros dos comportamentos familiares e tantas outras nuances da minha profissão, para evidenciar, o quanto é relevante — os acontecimentos familiares na formação das Desordens Psicossomáticas.

Considero, e, portanto, costumo dizer: — A família e não o indivíduo como o verdadeiro elemento social e não tenho medo de ser considerado retrógado.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.