Livros revelam trajetória do líder: Arraes vive!

Raimundo Carrero *
raimundocarrero@gmail.com

Publicação: 19/12/2016 03:00

Em um só tempo, e numa única solenidade, foram lançados vários livros – pela Cepe, Companhia Editora de Pernambuco – sobre o líder Miguel Arraes de Alencar, três vezes governador de Pernambuco, e uma das figuras políticas nacionais da maior importância. Sem dúvida um grande caráter com extrema habilidade política, capaz de detectar os problemas antes mesmo que eles surgissem – este é um dos seus traços que mais admirava e que procurava imitar – e ainda procuro . No contato pessoal era atencioso, atento, elegante. Quando não gostava de um assunto usava a ironia e estava encerrado. Gostava de contar piadas e de ouvir.  Vem daí o meu interesse em escrever também uma biografia sua, desde a década de 90, quando contei com a colaboração de Pedro Eugênio, então chefe do seu escritório político. Em companhia do agrônomo Erilson percorri cidades, povoados e pequenas propriedades em busca de depoimentos sobre programas governamentais do dr. Arraes . Mas vieram os problemas naturais de um projeto desta envergadura, sobretudo falta de documentos decisivos – nunca sofri nenhuma censura, mas faltavam elementos de pesquisa que aprofundariam o meu trabalho. Todos foram muito atenciosos comigo, carinhosos até. Sou muito exigente comigo mesmo e por isso abortei até mesmo uma biografia de Ariano Suassuna, que considero ainda  injustiçado com relação a biografias. O que existe são perfis, quando muito textos sobre sua formação – nenhum traço psicológico de envergadura, nenhum aprofundamento sobre suas inquietações culturais, dúvidas e buscas, acertos e erros. Quis muito ler, questionar e refletir  os diários de Ariano mas não consegui. Daí desisti. Eu queria fazer um retrato integral do personagem. Ainda penso nisso.

Por questões de honra devo dizer que ninguém me impediu ou me aconselhou. Simplesmente desisti. Tive em Ariano não apenas um amigo – mas um pai intelectual ou espiritual. Ensinou-me tudo, se esforçou, se empenhou, discutiu, debateu, disse faça assim, e tinha uma frase lapidar de mestre: se você vai fazer , faça bem feito, e já que vai fazer bem feito, aproveite e faça muito bem feito. Se não fiz ainda melhor, é por culpa minha.

Pois bem, estou louco para ler o livro de Vandeck Santiago, por quem tenho uma grande admiração – pelo caráter e pela es-crita; “Pernambuco em chamas”, o título. Gosto muito de Vandek, o que, aliás, já disse, mas aconselhou-o – se ainda há tempo – a mudar de titulo porque este é o título de livro de Mário Hélio sobre revoluções libertárias no estado, se não estou enganado. Sem dúvida, o título é ótimo, mesmo que se reporte a um filme norte-americano A repetição, porém, não é legal. Desculpe, Vandeck, por falar deste assunto em público. Mas só faço isso por saber que você entende. Abraços.

Não tenho dúvidas de que, neste livro, surgirá o dr. Arraes com toda a sus grandeza. Estará inteiro. E entenderemos como os Estados Unidos, com Cia e tudo, interferiram inteiramente em Pernambuco, como costuma fazer pelo  mundo afora. Dr. Arraes vive.

* Escritor e jornalista

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.