EDITORIAL » Como ter vidas menos expostas

Publicação: 12/12/2016 03:00

Um museu pode ajudar a mudar vidas. Não apenas pelo conteúdo histórico de seu acervo. O papel de um museu torna-se ainda mais significativo quando expande sua ação para além dos muros da instituição e alcança positivamente a população do entorno.

O Paço do Frevo, na Rua da Guia, no Bairro do Recife, por exemplo, implantou o projeto Comunidade do Paço. A equipe oferta formação em dança e música para crianças em situação de vulnerabilidade social. A ação torna o espaço mais conhecido e percebido como centro cultural capaz de promover atividades que vão além do frevo. Trata-se portanto de um instrumento de educação para a cidadania.

A comunidade do Chié, em Campo Grande, no Recife, é a primeira beneficiada pela iniciativa. As aulas, iniciadas em setembro, atendem 40 crianças, de sete a 12 anos, na Associação Comunitária dos Moradores. Reuel Gomes dá aulas de música, enquanto Tainá Fortunato ministra aulas de dança, ambos com enfoque no frevo.

O diferencial do projeto, no entanto, é a sua peculiaridade. Na dança, os participantes passam a ter uma percepção corporal mais ampla. Na música, o professor também orienta as crianças sobre higiene bucal na hora do manuseio da flauta, por exemplo. Orientações que servem para a vida.

Ronilado, de 9 anos, está aprendendo a tocar flauta. Depois da escola, não fica mais circulando nas ruas de Santo Amaro, bairro vizinho ao Chié, como costumava fazer antes. Seus pais andam mais aliviados depois do projeto.

A exposição do menino à violência diminuiu. Emily tem 10 anos. Participa das aulas de frevo. Depois disso, já pensa até em ser bailarina.

Na Europa, ações como essa já existem nos museus e fazem sucesso entre a população e turistas. O Museu do Transporte Público (London Transport Museum), em Londres, na Inglaterra, costuma fazer projetos para inspirar a criatividade e descobrir habilidades das pessoas. Um deles é voltado para famílias de migrantes com necessidade de aprender inglês. Em 2013, o museu também foi cenário de um projeto inspirado na história do metrô. Terminou tomado por arte por todos os lados.

No próximo dia 20, uma apresentação das crianças do projeto no Paço do Frevo pretende ser uma pequena mostra do quanto a iniciativa já é capaz de mudar a vida delas.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.