Intolerância religiosa: um campo a ser explorado

Diogo Ferreira
Escritor, jurista, especialista em Direito do Trabalho %u2013 PUC Goiás. Mestrando em Ciências da Religião pela Unicap. Diretor Geral da Universidade Salgado de Oliveira %u2013 Campus %u2013 Recife.

Publicação: 24/11/2016 03:00

O Brasil como um país plural em credos, culturas e manifestações do Sagrado possui uma diversidade de credos que nem sempre conseguem caminhar em harmonia. Se o desafio do ecumenismo entre as igrejas cristãs é algo difícil de lidar, a existência de religiões cujas teologias são incompatíveis entre si, geram tensões ainda mais sérias, que se materializam pelas relações existentes entre seus fiéis.
Neste ínterim, cabe ao Poder Público garantir um campo sadio de relações, evitando que disputas entre grupos sejam marcadas pela violência, e que estes mesmos grupos utilizem de mecanismos para influenciar o Estado a legislar e gerir a máquina pública de modo a beneficiá-los. No sentido de garantir a laicidade do Estado da melhor maneira, torna-se imperioso que os órgãos do Poder Público não apenas lancem mão de medidas que garantam a proteção dos cultos, de seus espaços, manifestações e fiéis, como também protejam o Estado de qualquer ameaça à sua isonomia em relação às religiões, como também leve à sociedade brasileira a discussão sobre a natureza verdadeira sobre do que se trata um Estado Laico.
Da mesma forma, é preciso fomentar espaços de diálogo inter-religioso entre igrejas, grupos religiosos e entidades da área, de modo a construir uma cultura em que a paz e o respeito mútuo entre as religiões não seja um assunto presente apenas entre os credos, mas, sobretudo, entre a população, como uma forma de educar o cidadão brasileiro dentro de um viés que valorize a diversidade religiosa do país e que todos tomem isso como algo positivo.
Por fim, a melhor solução para o governo brasileiro é o fortalecimento desses espaços, e o fomento de políticas que garantam não apenas os direitos relativos à Liberdade Religiosa, como também proteja o Estado da influência de grupos religiosos.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.