Insegurança pública

Ronnie Duarte
Presidente da OAB-PE

Publicação: 24/11/2016 03:00

Fui assaltado. Dois garotos. Arma na cabeça, coração na mão. Quase morri. Foi há uma década mas, para mim, foi ontem. E temo que aconteça de novo.
Contamos explosões de caixas eletrônicos por todo o estado, prática delituosa que passou a afligir locais de grande fluxo na Região Metropolitana do Recife: o Centro de Convenções, as avenidas Conselheiro Aguiar e Agamenon Magalhães, dentre outras. Assaltos nos sinais, arrastões no Recife Antigo, cidades sitiadas por bandos armados de fuzis com a tomada de reféns. Aumenta a sensação de insegurança da população, que segue atemorizada.
Algo deve poder ser feito. Governistas culpam a conjuntura, oposicionistas culpam o governo, enquanto nós, cidadãos, experimentamos a sensação da crescente insegurança. O comando da Secretaria de Defesa Social foi alterado na expectativa de melhoras efetivas nos resultados apresentados.
 O que pode ser feito diante das limitações orçamentárias existentes? A crise econômica e o desemprego são as causas do aumento dos índices de criminalidade? O “Pacto Pela Vida” merece revisão?
São muitos os questionamentos merecedores de uma resposta que se dê em uma arena livre dos condicionamentos impostos pelos interesses político-partidários.
É chegada a hora da sociedade civil organizada participar do debate, dando voz aos detentores de algum protagonismo no tema da segurança pública em Pernambuco, envolvendo entidades representativas para, juntos, compreendermos o cenário e propormos soluções que efetivamente nos assegurem o “ir e vir”, em paz e sem medo, pelas ruas das cidades do nosso estado.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.