Hospital da Mulher: um universo de dignidade e respeito às recifenses

Isabela Coutinho
Médica ginecologista obstetra e diretora do Hospital da Mulher do Recife

Publicação: 10/11/2016 03:00

A abertura do Hospital da Mulher do Recife, em 10 de maio passado, foi acompanhada de muita expectativa e otimismo entre as recifenses. Afinal, tratava-se da primeira unidade 100% voltada para os cuidados com a mulher, desde a infância – dez anos de idade – até a terceira idade. Neste cenário, recebi a missão de ficar à frente da direção do hospital com muita felicidade, mas ciente da responsabilidade e do desafio. O HMR é dotado das mais modernas instalações e tecnologias, e foram selecionados para o serviço profissionais experientes e qualificados. A equipe foi se conhecendo, estabelecendo vínculos entre si e cuidando das usuárias do hospital, num mesmo momento, e com o mesmo espírito de afetividade, determinação e vontade de acertar.
Ao longo dos meses, conseguimos formar um grupo coeso e imbuído do propósito de fazer melhor a cada dia. Agora, ao completar seis meses de funcionamento, sob gestão do Hospital de Câncer de Pernambuco e com o apoio irrestrito da Prefeitura do Recife, por meio de sua Secretaria de Saúde, estamos felizes em constatar a consolidação de serviços importantes. A unidade proporciona acolhimento e dignidade para mulheres vítimas de violência, respeito à liberdade de gênero, humanização na assistência ao parto e no cuidado nas diferentes fases da vida feminina. Variadas especialidades ambulatoriais e exames de imagem de média e alta complexidade. Em todas as áreas, a excelência de um atendimento humanizado e de qualidade proporciona a valorização, o empoderamento da mulher e o respeito à sua cidadania.
O CPN (Centro de Parto Normal), o ambulatório LBT (lésbicas, bissexuais e transexuais transgenitalizadas), o Centro de Atenção à Mulher Vítima de Violência – Sony Santos, o Serviço de Imagem, a Casa das Mães e tantos outros serviços oferecidos no Hospital da Mulher, nos dão a certeza de estarmos construindo um universo de dignidade e respeito às nossas usuárias. Particularmente, como médica obstetra, defensora desde sempre do parto natural, estou vendo a concretização do sonho de presenciar gestantes com pleno acesso ao parto humanizado. Mulheres empoderadas do direito de decidir a forma como querem ter seus filhos.  
No Centro de Parto Normal, a estrutura conta com três suítes, seis leitos de pré-parto  e uma área de convivência comum. Em respeito às suas escolhas, a gestante tem liberdade de posição, de alimentação, de decidir as melhores formas de alívio da sua dor, seja com banho em água morna, massagem, aromaterapia e outras técnicas.  A ideia é deixar a natureza agir para que a criança venha ao mundo nas melhores condições, com segurança e baseada nas melhores evidências científicas disponíveis. O pré parto e o parto são acompanhados de perto pela enfermeira obstetra, pelo médico e por dois acompanhantes, de escolha da gestante. Caso necessário, a equipe está pronta e preparada para realizar qualquer intervenção que se julgue necessária. Esse mesmo nível de excelência pode ser visto em todas as áreas do Hospital da Mulher do Recife. O trabalho é permanente, os desafios são diários e o futuro, um horizonte pleno de saúde e dignidade para as mulheres do nosso município e para os funcionários do hospital.  

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.