EDITORIAL » Quando um nome significa renascimento

Publicação: 01/11/2016 03:00

Nome é identidade. Mas mudança de nome significa renascimento. Para uma pessoa transexual, ser chamada como deseja é algo ainda mais significativo: é resgate como ser humano. Alcançar esse direito ainda é um caminho longo e burocrático, nem por isso menos desejado pela população trans. Hoje, a Defensoria Pública de Pernambuco vai apontar os passos a serem seguidos para garantir esse direito na III Roda de conversa, com o tema Entendendo o processo de alteração de prenome e sexo. Acontece a partir das 17h, na Rua Marquês do Amorim, 127, no bairro da Boa Vista.
Na Roda de conversa, as pessoas trans poderão tirar dúvidas com os diversos atores envolvidos no processo. A Secretaria Municipal de Direitos Humanos do Recife, por exemplo, vai ofertar o atendimento e posterior laudo psicológico para viabilizar o pedido de mudança de nome na Justiça.
Nos atendimentos que eram realizados na Defensoria Pública, uma vez por mês, com pessoas encaminhadas pela Secretaria Estadual de Direitos Humanos, 80% das demandas eram relativas à alteração da identidade. Os demais, em geral, eram sobre violência contra a mulher e idosos.
Ao longo desses atendimentos, a defensora pública Roberta Pitanga ouviu falas comoventes. Em uma delas, um homem trans disse ter trancado a faculdade e ainda se negava a voar de avião para não ser chamado pelo nome de mulher. Para essas pessoas, ouvir o nome de batismo chega a ser uma tortura.
O evento, que já contou com duas rodas de conversas sobre pessoas com autismo e Síndrome de Down, é o primeiro ato do Núcleo de Direitos Humanos da Defensoria Pública, cuja implantação foi publicada no Diário Oficial do último sábado. O núcleo será coordenado por Roberta Pitanga e contará com mais três defensores públicos. Para ela, ter a própria identidade negada é uma violação grave de direitos humanos.
Como disse o escritor Pedro Bandeira, em um trecho do poema O Nome da gente, a identidade pode e deve ser questionada : “Foi meu pai que decidiu/ que o meu nome fosse aquele/ isso só seria justo/ se eu escolhesse/ o nome dele/ Quando eu tiver um filho/ não vou por nome nenhum/ Quando ele for bem grande/ ele que procure um.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.