EDITORIAL » Uma maneira de amar mais o rio

Publicação: 24/10/2016 03:00

O trecho do Rio Capibaribe que corta o centro da cidade é tão inspirador que já entrou para páginas memoráveis da literatura nacional. No entanto, nos dias atuais, anda a pedir um olhar mais atento do poder público, sobretudo para suas potencialidades. Exemplo de que pode transformar o centro em um recanto dos mais aprazíveis acaba de ser consolidado pela Prefeitura do Recife, com a inauguração, sexta-feira, da Estação Ecoturística Cais do Imperador, construída na frente do Fórum Thomaz de Aquino. O novo espaço segue tendências modernas do urbanismo como a adoção de telhado verde usado na cobertura do café-bar (pois também serve chope), ao redor do qual foram criados um anfiteatro e escadarias onde as pessoas poderão contemplar a beleza do rio, além de obter informações turísticas. Para isso, um posto passou a integrar o conjunto de equipamentos.

A área de 100 metros quadrados se projeta para o rio e tem píer de atracação destinado a receber o barco-escola da prefeitura, mas poderá dispor, ainda, de um ambiente com exposição onde o visitante verá documentos sobre a importância histórica do local, antigo cais que foi reformado em 1859 para a visita do imperador Pedro II. Não resta dúvida de que a estação é um marco no projeto de recuperação de Santo Antônio, bairro de importância estratégica para o turismo da cidade, assim como o do Recife, situado do outro lado. Com intervenções urbanas previstas para as duas margens, a ideia é tornar o centro um espaço de convivência através do qual habitantes e visitantes desfrutem da beleza e potencialidades do rio.

O conceito de utilização do rio como lazer e opção de deslocamento é explorado a cada dia mais em grandes cidades do mundo como Lisboa, que viu o número de visitantes aumentar exponencialmente depois da requalificação do centro, desde a Praça do Comércio até o Cais do Sodré. Não por acaso, a capital portuguesa foi por três vezes consecutivas eleita melhor destino da Europa. A tendência, também aqui, é criar importantes espaços de convivência nas margens do Capibaribe, assim valorizando um de seus maiores diferenciais. E, independentemente de quem ou de qual força política esteja no comando dos destinos do município, há que se respeitar a necessidade de fazer da área central um convite ao lazer e à contemplação. Como é do gosto dos poetas.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.