Roberto Burle Marx, pintor

Publicado em: 04/08/2018 03:00 Atualizado em: 06/08/2018 09:50

Muito já foi escrito por especialistas brasileiros e de outros países sobre o paisagista complexo e polissêmico Roberto Burle Marx (1909-1904), filho de Wilhelm Marx, judeu alemão, nascido em Stuttgart e criado em Tréveri, e de Cecília Burle Dubeux, uma recifense de Apipucos, de ascendência francesa. Agosto é o mês das grandes celebrações de aniversário desse vulto central da gênese do jardim moderno em nosso país.  Todos já disseram que ele foi o mais influente e respeitado paisagista do século em que viveu, que sua obra pode ser encontrada ao redor de todo o mundo, uma referência até hoje inultrapassável na condição, raríssima, de paisagista de muitos saberes e criatividade. Entretanto, poucos ampliaram estudos e pesquisas sobre o Burle Marx escultor, desenhista, tapeceiro, designer de joias, músico e ceramista. Foi nas visitas que fiz ao sítio Santo Antônio da Bica, em Guaratiba (Rio de Janeiro), lugar de plantio, pesquisa e experimentos com espécimes vegetais, templo de arte e buscas de novas formas de criação estética, que tive a oportunidade de conhecer e fotografar, demoradamente, o que de valor inestimável o genial artista nos legou no campo da pintura. Todas as peças do acervo permanente estavam expostas diante de mim, dando-me a impressão de que havia uma ligação estilística entre a pintura e o paisagista. “É um engano confundir meus jardins com pintura”, é um assunto para outro momento. Crescendo o meu interesse por esse lado da estética burlermaxiana tive um encontro, que durou mais de duas horas, para mim enriquecedor, além de inesquecível, com um dos amigos mais próximos de Burle Marx: o saudoso Acácio Gil Borsoi. Para ser preciso, na torre cimeira de sua casa olindense de Nossa Senhora do Amparo. (Numa noite de junho, fria e de chuva caindo sobre as janelas de vidro, em que apenas faltava o sorriso de ternura e bondade da divina Janete Costa). O interesse de minha conversa com Acácio, ele já sabia, era sobre Burle Marx pintor e suas habilidades polivalentes. (Tema também de outra longa conversa que tive com a arquiteta e galerista pernambucana de Burle Marx, minha cara amiga Bethe Araruna e com a sua ex-estagiária pernambucana, Neide Fernandes, arquiteta, integrante da Fundarpe). Acácio me falou sobre a linguagem notoriamente orgânica e evolutiva de Burle Marx, sobre a sua arte como pintor, identificada com as vanguardas artísticas. Sem esquecer o concretismo, “tão presente na sua pintura”.

Todos sabem que Roberto passou uma temporada na Alemanha, levado por seus pais, a partir de 1928, onde entraria em contato com artistas e pintores famosos. Seus biógrafos, até os seus colaboradores mais próximos, faltam dizer algo mais sobre a sua grande vocação para a pintura, antes de abraçar o paisagismo. Isso se deu em Berlim, levado por uma bela professorinha alemã, Erna Busse, que ficaria apaixonada pelo jovem aluno brasileiro desde a primeira troca de olhar. Erna era budista e possuidora de uma inteligência rara. Ela viu no jovem brasileiro a reencarnação do seu falecido noivo, morto na Guerra. Juntos visitavam, quase diariamente, os teatros, os museus, as exposições de Manet, Mondriand, Monet, Renoir, Picasso, Paul Klee, Matisse, o que havia de melhor dos expressionistas, a pintura pré-cubista, os quadrados, triângulos, círculos e cubista de Cézanne, as fraturas trazidas do cubismo, a construtibilidade lírica dos seus traços, Picasso, Léger, Gris, Lhote, Braque (este, que se tornaria uma das suas paixões no campo da pintura). Numa das tardes berlinenses de muita neve que, entretanto, acontecera, foram ao ateliê de pintura de Degner Klemn. Burle Marx tornou-se aluno dele. Quando nada acontecia saíam, juntos, nas horas de ensolarada quietude, colhendo violetas nos jardins da cidade.  Numa dessas visitas, Roberto Burle Marx receberia o impacto do Jardim Botânico de Dahlen. Aí, começa outra história, a mais bela e rica experimentada por um gênio do paisagismo.

De volta ao Brasil, na Escola de Belas Artes (Rio de Janeiro), torna-se aluno de Cândido Portinari, Augusto Bracet, Celso Antônio. Finalmente, assiste às aulas ministradas por Leo Putz, pintor expressionista alemão (era parente próximo de Thomas Mann), quando seus desenhos são tomados por uma geometria cheia de dobras e beleza singular.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.