imigração Trump pede lealdade a republicanos em votação de emergência fronteiriça

Por: AE

Publicado em: 11/03/2019 16:58 Atualizado em:

Foto: Arquivo / AFP
Foto: Arquivo / AFP
O presidente americano, Donald Trump, revelou nesta segunda-feira (11) sua proposta de 8,6 bilhões de dólares para financiar a construção de um muro limítrofe com o México e voltou a pedir lealdade à maioria republicana do Senado para a votação de sua controversa declaração de emergência fronteiriça.

Espera-se que o Senado vote ainda esta semana um recurso democrata para anular a declaração de emergência de Trump, que a está utilizando para redirecionar fundos do governo para construir um muro na fronteira entre Estados Unidos e México.

Quatro republicanos anunciaram que vão romper fileiras e se unirão aos democratas para bloquear a polêmica medida presidencial. Os democratas são minoria no Senado, mas seu esforço seria aprovado com o apoio dos quatro republicanos.

Os democratas argumentam que Trump excedeu sua autoridade quando invocou poderes especiais para anular a oposição do Congresso a financiar a construção de muros fronteiriços adicionais e vários republicanos expressaram seu desconforto com a decisão do chefe do Executivo.

Mas nesta segunda-feira, Trump voltou a pressioná-los fortemente pela segunda vez em cinco dias, ao tuitar que os republicanos "têm uma votação muito fácil esta semana" sobre segurança fronteiriça e muro.

"Os democratas estão 100% unidos" sobre este tema, acrescentou. "Fiquem firmes!", pediu aos seus correligionários.

Se a medida for aprovada, significará uma reprimida geral ao presidente por parte do Congresso, mas só terá uma importância simbólica já que Trump pode responder com o veto - o primeiro de sua Presidência - e continuar obtendo recursos para o muro.

Os 8,6 bilhões de dólares de financiamento adicional para o muro, contidos na ambiciosa proposta de orçamento para 2020, que a Casa Branca apresentou nesta segunda-feira, superam consideravelmente os 5,7 bilhões que Trump pediu para o mesmo fim este ano.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.